Pular para o conteúdo principal

Conflitos Mediados em 5 Passos


Para expandir os negócios, empreendedores precisam considerar todas as possibilidades de crescimento empresarial. Pensar em uma sociedade é uma atitude quase natural, afinal, duas (ou mais) cabeças pensam melhor do que uma. Porém, conviver com o sócio é algo que depende de bastante respeito, confiança e comprometimento, uma vez que, mais do que um parceiro profissional, ele precisa ter objetivos alinhados com os seus.

1 - Não confunda relacionamento pessoal com profissional
É claro que ajuda se os sócios forem próximos. Mas, isso não significa que um bom relacionamento se transforme em uma boa sociedade. O relacionamento dentro de um ambiente de trabalho é bem diferente daquele em momentos de lazer. Especialmente quando os resultados esperados não vêm, ou quando a pressão cresce dentro da empresa. Neste cenário, tanto a relação pessoal quanto a profissional podem ficar comprometidas. Lembre-se de que o relacionamento com um sócio vai além das relações pessoais.

2 - Sócios com perfis profissionais complementares
A sociedade ideal é aquela em que cada sócio traz conhecimentos ou recursos que os outros sócios não têm. É preciso que se pense, primeiramente, no que é melhor para a empresa e em quais decisões são favoráveis ao negócio.

3 - Conhecer as limitações do sócio
Em algumas situações, um sócio pode acabar colocando expectativas muito altas sobre o outro, e por consequência, isso pode abalar a relação entre eles. É importante reconhecer que todos nós temos limitações e, nem sempre, conseguimos corresponder ao que é esperado da gente. Acreditar que o futuro do negócio depende exclusivamente do outro sócio é uma armadilha razoavelmente frequente. Independentemente do tipo de negócio, é preciso compreender que o sócio não é super-homem e ele precisa ser respeitado.

4 - Alinhar os objetivos dos sócios
Não só os objetivos entre os sócios precisam estar alinhados, mas também em relação a todos os funcionários da empresa. Por isso, na hora de “escolher” um sócio, analise os objetivos de vida do futuro parceiro profissional. Isso ajuda a definir o perfil de quem pode vir a compartilhar com você o comando da empresa.

5 - Conhecer a capacidade de comunicação do seu sócio
Acima de qualquer coisa, o diálogo precisa ser preservado. Inevitavelmente, os sócios precisam conversar e discutir inúmeras vezes ao dia. O segredo está em saber discutir e discordar de forma respeitosa. Essas são habilidades que precisam ser priorizadas por qualquer sócio, assim como saber ouvir e compreender o ponto de vista do outro.

Está pensando em abrir um negócio em sociedade? Já tem uma sociedade? Então, se o conflito é inevitável, levante a cabeça, adote estes cinco passos e siga em frente!

Ivânia Bezerra
VTL Marketing

Comentários

Os Mais Lidos Da Semana!

Gerente de Aluguel - GPS 4.0

Para começo de conversa, isso não é "papo de Consultor", mas de quem tem 30 anos de vivência no "chão de Loja" , atuando em toda Cadeia de Suprimento e tem experiência e competência para dizer que SIM! Você está jogando dinheiro no lixo!!! Nos últimos 6 meses, avaliamos a Operação de mais de 200 Lojas e podemos afirmar, seguramente, que temos a Solução para os três principais problemas do Varejo: 1. Falta de Controle de Estoque; 2. Falta de Gestão Financeira; 3. Baixa Utilização da TI e da Cultura de Dados... Veja como... Com a alta competitividade do Mercado, as Empresas, de todos os tamanhos e segmentos , procuram qualificar suas Equipes para promover a criatividade e a inovação, com ideias “fora da caixa” , potencializar a Gestão e melhorar os Resultados.  Pensando, também na necessária redução de custos, algumas Empresas apostam em soluções inovadoras; entre elas a do “Gerente de Aluguel” , com o objetivo de dar uma "mãozinha" aos Empreendedores, Ges

Bodega High Tech

Longe se vai os dias de inauguração (1.916) da primeira loja de Auto-Serviço no mundo: a Piggly Wiggly. Mais "recentemente" (1.930) os dias do primeiro Supermercado: o King Kullen. Depois vieram os Hard Discount (Aldi), os Category Killers (Toys ‘U’ Us, Leroy Merlin), os Hipermercados (Carrefour), e finalmente os Warehouse Clubs (Sams Club, Costco). Paralelo a esta evolução no formato do varejo, vivenciamos a Evolução do Marketing 1.0: mercado centrado no Produto, onde prevalecia a máxima de Ford: “Um carro pode ter qualquer cor, desde que seja preto.” - passando pelo Marketing 2.0: voltado para o Consumidor – para o Marketing 3.0: voltado para os Valores, cujo objetivo é fazer do mundo um lugar melhor, considerando um mercado de seres humanos com coração, mente e espírito, com uma proposição de valor funcional, emocional e espiritual e, finalmente, pelo menos até o próximo Big Show, chegando, finalmente, ao Marketing 4.0, a era da Transformação Digital, onde tudo faz par

A Estratégia dos Quatro Fatores

Todo ano é a mesma "estória": o ano só começa depois do Carnaval. Para mim isso é "papo de jacaré"; conversa fiada de preguiçoso, indeciso, que não sabe ou não tem o que fazer. Assim, aceita-se o pressuposto de que depois das folias de Momo tudo será exequível. Pelo menos não se desistirá antes de tentar cada alternativa. O Sucesso virá mesmo com muitos riscos e metas “impossíveis”; haverá algumas inovações e muitos, muitos improvisos. Será mais um ano daqueles que quanto pior ficar, melhor será. Ou será o contrário? Toda essa conversa de dificuldades e crises serve para lembrar um lugar comum: a palavra “crise” é composta por dois ideogramas (letras) que significam perigo e oportunidade. Então, vamos ser criativos, tirar o “s” da crise, mergulhar no escuro e transformar nossa coragem, criatividade e determinação em estratégias inovadoras para vencer a crise... Crise, que crise? A "marolinha" de 2008, finalmente, transformou-se numa tsunami "inter