Pular para o conteúdo principal

Holding On


Dica 045 - Holding não é problema: é solução!


O jeitinho brasileiro tem transformado uma solução em problema. Estamos falando das Holdings que vêm despertando cada vez mais a atenção dos contribuintes, com as últimas notícias sobre tendências de taxação de grandes fortunas. 

Utilizadas para concentrar participações societárias ou administrar bens, elas despertam interesse de grupos empresariais e famílias por razões diversas, dentre elas:

1- Proteção do patrimônio, segregando a vida social entre a holding e seus sócios (e suas empresas investidas);

2- Planejamento tributário, com interesse na economia tributária através da elisão fiscal;

3- Um melhor nível de estruturação do negócio e profissionalização dos Sócios com enfoque administrativo; e

4- Planejamento Sucessório adentrando ao contexto familiar, que pode inclusive extinguir o processo de inventário e partilha.

Com estas características as holdings se transformaram na menina dos olhos dos contribuintes, entretanto, estas empresas, também, viraram a menina dos olhos da Receita Federal. O aumento quantitativo e qualitativo da fiscalização tem levado a um crescente número de autuações, normalmente com a determinação de baixa de ofício de pessoas jurídicas não existem de fato. É justo, é muito justo é justíssimo.

Defendemos esta ênfase na fiscalização para separar o joio do trigo: separar holdings corretamente constituídas e utilizadas, daquelas que servem, apenas, para simulação, evasão fiscal e outras hipóteses de crimes contra a ordem tributária.

Para conciliar o crescente interesse dos Contribuintes e do Fisco, nossa dica, para Empresas ou Famílias evitarem riscos fiscais e jurídicos, é selecionar criteriosamente os profissionais das áreas Contábeis e Jurídica que cuidarão do processo de Planejamento e Constituição e Administração da Holding, seja ela Empresarial ou Familiar.

No caso das holdings familiares, recomendamos a leitura concomitante da Dica 007 sobre Sucessão Familiar.


Vital Sousa
VTL Marketing & Vendas

 Fonte: Sousa, Vital. 100 Dicas & 001 Conselho. Recife, 2015

Comentários

Os Mais Lidos Da Semana!

Gerente de Aluguel - GPS 4.0

Para começo de conversa, isso não é "papo de Consultor", mas de quem tem 30 anos de vivência no "chão de Loja" , atuando em toda Cadeia de Suprimento e tem experiência e competência para dizer que SIM! Você está jogando dinheiro no lixo!!! Nos últimos 6 meses, avaliamos a Operação de mais de 200 Lojas e podemos afirmar, seguramente, que temos a Solução para os três principais problemas do Varejo: 1. Falta de Controle de Estoque; 2. Falta de Gestão Financeira; 3. Baixa Utilização da TI e da Cultura de Dados... Veja como... Com a alta competitividade do Mercado, as Empresas, de todos os tamanhos e segmentos , procuram qualificar suas Equipes para promover a criatividade e a inovação, com ideias “fora da caixa” , potencializar a Gestão e melhorar os Resultados.  Pensando, também na necessária redução de custos, algumas Empresas apostam em soluções inovadoras; entre elas a do “Gerente de Aluguel” , com o objetivo de dar uma "mãozinha" aos Empreendedores, Ges

Bodega High Tech

Longe se vai os dias de inauguração (1.916) da primeira loja de Auto-Serviço no mundo: a Piggly Wiggly. Mais "recentemente" (1.930) os dias do primeiro Supermercado: o King Kullen. Depois vieram os Hard Discount (Aldi), os Category Killers (Toys ‘U’ Us, Leroy Merlin), os Hipermercados (Carrefour), e finalmente os Warehouse Clubs (Sams Club, Costco). Paralelo a esta evolução no formato do varejo, vivenciamos a Evolução do Marketing 1.0: mercado centrado no Produto, onde prevalecia a máxima de Ford: “Um carro pode ter qualquer cor, desde que seja preto.” - passando pelo Marketing 2.0: voltado para o Consumidor – para o Marketing 3.0: voltado para os Valores, cujo objetivo é fazer do mundo um lugar melhor, considerando um mercado de seres humanos com coração, mente e espírito, com uma proposição de valor funcional, emocional e espiritual e, finalmente, pelo menos até o próximo Big Show, chegando, finalmente, ao Marketing 4.0, a era da Transformação Digital, onde tudo faz par

A Estratégia dos Quatro Fatores

Todo ano é a mesma "estória": o ano só começa depois do Carnaval. Para mim isso é "papo de jacaré"; conversa fiada de preguiçoso, indeciso, que não sabe ou não tem o que fazer. Assim, aceita-se o pressuposto de que depois das folias de Momo tudo será exequível. Pelo menos não se desistirá antes de tentar cada alternativa. O Sucesso virá mesmo com muitos riscos e metas “impossíveis”; haverá algumas inovações e muitos, muitos improvisos. Será mais um ano daqueles que quanto pior ficar, melhor será. Ou será o contrário? Toda essa conversa de dificuldades e crises serve para lembrar um lugar comum: a palavra “crise” é composta por dois ideogramas (letras) que significam perigo e oportunidade. Então, vamos ser criativos, tirar o “s” da crise, mergulhar no escuro e transformar nossa coragem, criatividade e determinação em estratégias inovadoras para vencer a crise... Crise, que crise? A "marolinha" de 2008, finalmente, transformou-se numa tsunami "inter