Pular para o conteúdo principal

O Legado Paralímpico


Paralímpico ou Paraolímpico? Vamos deixar esta discussão para outra hora... Agora, sem desmerecer nossos “Heróis Olímpicos”, veremos, nos próximos dias, uma Tsunami de medalhas que vai afogar a “marolinha” das 19 medalhas olímpicas. Mas deixando os nobres metais de lado, vamos compreender o que ficará depois que a onda passar.

Pelas contas do IBGE (2.010), o Brasil tem 45 milhões de Pessoas com (Alguma) Deficiência, das quais 13 milhões (Deficiência Moderada à Severa) poderiam classificar-se em alguma modalidade Paralímpica. No período dos Jogos Paralímpicos, todos estarão, quando possível, com os olhos voltados para a Cidade Maravilhosa onde tudo, ou quase tudo estará acessível. Bem, isso é o que veremos na televisão, mas aqui cabe uma pergunta: será esta a realidade das PcDs – Pessoas com Deficiência e das PMRs – Pessoas com Mobilidade Reduzida no Rio de Janeiro e em outras Capitais e Município Brasil afora? Não acredito e recomendo que não acreditem, pois a realidade é bem diferente do que veremos na televisão.

A falta de Acessibilidade é notória e está acima da lei, da LBI – Lei Brasileira de Inclusão (Estatuto da Pessoa com Deficiência) que foi baseada na Convenção da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, além de garantir importantes direitos, traz em seu bojo, uma importante inovação na conceituação de deficiência que enfatiza o slogan "Acessibilidade é Responsabilidade de Todos". Para a LBI, a deficiência não é mais compreendida como uma condição estática e biológica da pessoa, mas como resultado da interação das barreiras impostas pelo meio com as limitações de natureza física, mental, intelectual e sensorial do indivíduo.

Assim devemos voltar nossos olhos para as cidades; para as respostas que elas oferecem às PcDs e PMRs e nos perguntarmos se esta realidade é aceitável. Será aceitável negar os direitos básicos, garantidos pela constituição, de milhões de pessoas? Será aceitável considerarmos as barreiras impostas ao usufruto desses direitos, apenas, de 4 em 4 anos por ocasião dos Jogos Paralímpicos? Será aceitável continuarmos a falar de inclusão, em igualdade, enquanto a realidade nos mostra, exatamente, o contrário? Acredito que não. Acredito que bom mesmo seria não precisarmos falar em inclusão e igualdade, que estas condições já fossem inerentes ao nosso meio e a nossa sociedade. Mas esta não é a realidade.

O legado dos Jogos Paralímpicos não serão as medalhas, nem os equipamentos acessíveis que ficarão para uso público, o seu grande legado será a multiplicação do conhecimento sobre a Deficiência, sobre a Diversidade Humana e sobre o que realmente importa: o desempenho, o resultado que cada um pode oferecer para a sociedade independente de sua condição física. Neste ponto vale uma pergunta: quantas pessoas “normais” seriam capazes de fazer o que fazem os atletas “deficientes”? Neste ponto vale a pena lembrar o novo conceito de deficiência da LBI para que possamos, a partir deste ponto, construirmos uma nova realidade, onde seja possível garantir que todos sejam iguais perante as leis e todos os nossos direitos sejam plenamente usufruídos, porque não somos deficientes, “deficientes são as Cidades”... Nós somos todos Diferentes!



Vital Sousa
integrum Consultoria

Os Mais Lidos Da Semana!

A Cartilha do ABC

Há alguns dias li uma notícia, num site sobre empreendedorismo, que uma empreendedora havia alcançado sucesso em seu negócio com uma inovação: ela estava produzindo sapatos ao gosto do Cliente, isto é: customizados ou personalizados ou, ainda, taylor made – sob medida.
- Como é que é?! Inovação!? Mas quando!?
Sou do tempo que sapatos, roupas, chapéus, joias e outros acessórios e adornos eram confeccionados sob medida e encomenda dos Clientes, então, para mim, esta empreendedora não está inovando: está fazendo o que é bastante comum no mundo da moda: voltando ao passado; fazendo uma releitura de um processo de produção. Não vou me aprofundar neste “revival” calçadista, porque a leitura da noticia me inspirou a fazer minha própria “inovação”: uma Cartilha do ABC para ensinar empreendedores e varejistas o “bê-a-bá” da Gestão de Estoques, Vendas Clientes, Cobrança, Capital de Giro e o fundamental Fluxo de Caixa. A Cartilha do ABC é uma ferramenta gerencial que serve para isso e muito mais.
C…

10 Perguntas Demolidoras

Ter uma Excelente ideia não basta. É preciso saber vender o seu peixe, a qualquer momento que seja preciso. Todo Empreendedor tem a obrigação de conhecer o seu Negócio nos mínimos detalhes. Isso é importante para Vender a ideia e para a gestão do negócio. Todo Empreendedor tem a obrigação de responder, e responder certo, estas 10 perguntas sobreo seu Negócio.
A Young Entrepreneur Council fez uma lista com 10 questões que todos os investidores querem saber do dono de um negócio.
Encarar um grupo de investidores é uma tarefa que exige muita preparação do empreendedor. Se ele quiser conquistar aquele aporte ou investimento para sua startup ou empresa, terá de responder com segurança a todas as dúvidas de seus inquisidores.
Não são perguntas fáceis. Qualquer deslize na explicação do negócio ou desconhecimento de algum detalhe da operação pode custar o tão sonhado capital. Para ajudar os empresários nesse momento de tensão, os diretores do Young Entrepreneur Council, uma associação mundial de…

O Sorriso do Coringa

Lá pela segunda metade dos anos 80, depois de um “papo cabeça” com um psicanalista, passei de “Yuppie Carrancudo” para “Grunge Sorridente”. Os colegas diriam que por culpa da crise dos trinta, eu, melhor dizendo, diria que "graças" à crise dos trinta. Aceitei o conselho do profissional recomendado para acompanhar algumas mudanças na vida pessoal e profissional. Na época o termo ainda não virara moda, mas passei por um processo de Coaching de Carreira. O conselho, segundo o profissional, deveria resolver metade dos meus problemas... WOW!!! Um conselho bastante tentador, impossível de não ser acatado, pelos resultados prometidos e também pela simplicidade:

- Sorria. Metade dos seus problemas vão sumir... Sorria!!!
À primeira vista o conselho era muito fácil de ser seguido, afinal quem não sabe sorrir, sorrir é algo natural, sorrir é o melhor remédio para tudo... Porque eu não havia pensado nisso antes? Precisei gastar uma grana preta para descobrir o óbvio? Ao invés de ficar zan…