Pular para o conteúdo principal

Motivação: Vide Bula!


Ouro, prata ou bronze? Não importa a cor do metal dos sonhos conquistado em rompantes de força, coragem, determinação, superação e, necessariamente, motivação. Em 17 dias de Olimpíadas tivemos de tudo um pouco. Domesticamente o Brasil ultrapassou o número de medalhas conquistadas na Olimpíada anterior (Londres, 2.012). No Placar, a marfa de 16 à 19. Mas o que aconteceria com esta marca sem as medalhas dos “desconhecidos”? Se considerarmos, apenas, o Cara da Canoa, daria um empate de 16 à 16. Mas temos, ainda, o Cara do Boxe; a Mina da Maratona Aquática, o Cara do Tiro, o Cara do Salto com Vara, o Cara do Taekwondo... Bem, assim já seria uma derrota pelo placar de 16 à 11. 

Foi o Cara do Taekwondo, mais precisamente o0 seu discurso, que me chamou a atenção para um fenômeno destas Olimpíadas: a proliferação do profissional que cuida das “cabeças” dos atletas. Psicólogo, Personal Coach, Life Coach, Coach Esportivo, etc, etc... Seja lá com qual denominação, muitos foram apresentados à “Mídia” e vaticinaram os seus “milagres”. Não lembro outras Olimpíadas com tantos “desajustados emocionais”. Das lágrimas copiosas aos discursos raivosos, também, tivemos de tudo, mas, principalmente, tivemos em grande número, de perdedores e medalhistas, os discursos “formatados”, cheios de “lugares comuns” e “slogans motivacionais”. Bastava ouvir o atleta para saber que por trás do seu discurso havia uma “Coach de Cabeça”. Como se ganhar ou perder não fosse a coisa mais natural do mundo no esporte, havia em cada disputa a esperança de algo impossível: dois vencedores. 

Talvez por estarmos disputando medalhas “em casa”, houvesse uma maior pressão para vencer e a necessidade de justificar, de forma consistente, as derrotas. Assim os atletas foram para o infortúnio catastrófico e avassalador da perda de qualquer etapa da disputa por uma medalha. 

Não quero fazer julgamento de valores nem desmerecer o trabalho desses profissionais que cuidaram das “cabeças” de nossos atletas, mas penso que em lugar da “bula motivacional”, do vocabulário “padronizado” e do discurso “formatado”, nossos atletas deveriam ter colocado na bagagem suas próprias “histórias” e trajetórias, além, claro, de todo aprendizado em suas respectivas modalidades. 

Ninguém, ninguém mesmo, gosta de perder, mas perder “faz parte” do jogo e ter consciência deste fato poder fazer a diferença no tão falado “psicológico” dos atletas e isso não se aprende de um dia para o outro. Sim, acredito que poder ser aprendido, mas tenho quase certeza que é uma condição natural de pessoas resilientes. Esta é uma condição rara, por isso são poucos os vencedores e muitos os vencidos e em maior número os perdedores. Para os que estão perdendo o sono com isso, deixo um “lugar comum”: “aceita que dói menos”. 

Moral da historia: a motivação que vem de fora é só mais um detalhe na preparação dos atletas ou de qualquer outro profissional. O que faz a diferença entre as cores das medalhas; entre vencedores e perdedores é a “chama” que está dentro de cada atleta, de cada um de nós. Chamem como quiser: garra, gana, força, raiva, explosão, superação, motivação... A verdadeira motivação que não se lê em bulas. 


Vital Sousa 
integrum Consultoria 

Os Mais Lidos Da Semana!

10 Perguntas Demolidoras (AP-InCo)

Ter uma Excelente ideia não basta. É preciso saber vender o seu peixe, a qualquer momento que seja preciso. Todo Empreendedor tem a obrigação de conhecer o seu Negócio nos mínimos detalhes. Isso é importante para Vender a ideia e para a gestão do negócio. Todo Empreendedor tem a obrigação de responder, e responder certo, estas 10 perguntas sobreo seu Negócio.
A Young Entrepreneur Council fez uma lista com 10 questões que todos os investidores querem saber do dono de um negócio.
Encarar um grupo de investidores é uma tarefa que exige muita preparação do empreendedor. Se ele quiser conquistar aquele aporte ou investimento para sua startup ou empresa, terá de responder com segurança a todas as dúvidas de seus inquisidores.
Não são perguntas fáceis. Qualquer deslize na explicação do negócio ou desconhecimento de algum detalhe da operação pode custar o tão sonhado capital. Para ajudar os empresários nesse momento de tensão, os diretores do Young Entrepreneur Council, uma associação mundial de…

Rally M+is - Transnordestina

O Rally
O Rally M+is em sua IV Edição – Rally M+is – Transnordestina – estará focando suas expertises no Varejo Alimentar: origem da proposta de trabalho da integrum Consultoria. Suas atividades estarão focadas no desenvolvimento / ampliação do relacionamento dentro da Cadeia de Suprimento e Qualificação de Operadores e Varejistas.
O que eu ganho com isso?
De início, a resposta à pergunta que, acreditamos, surgirá no momento inicial de nossa apresentação: do Consumidor à Indústria, os Benefícios Sistêmicos da maior Interação da Cadeia de Suprimento do Varejo Alimentar.
- Consumidores: MELHOR Atendimento, Preço, Qualidade, Variedade e Conforto; - Varejistas: MAIS Qualificação, Vendas, Gestão e Rentabilidade; - Transportadoras: MAIS Embarques, Precisão, Rapidez, Pontualidade e Eficiência; - Distribuidores: MAIS Mix, Giro, Clientes, Rentabilidade e Liquidez; - Indústrias: MAIS Vendas, Previsibilidade e Rentabilidade!
O Roteiro
O Percurso do Rally M+is – Transnordestina é um retorno às origens: queremos…

De Volta ao Futuro! (AP II)

O Reveillon é um momento de luzes e cores: o branco da paz; o amarelo da prosperidade; o azul da harmonia; o verde da saúde; o laranja da vitalidade - esta deveria ser  a minha cor favorita; o vermelho da paixão... Um verdadeiro arco-íris de desejos e felicitações para um ano que se inicia, iluminado pelas luzes dos fogos de artifício e ao som do hit do dia: Vai Malandra!
No meio dessas "ondas" uma foto em preto e branco grita aos quatro ventos e aos quatro cantos da world wide web. Através de um post transversal nas redes sociais, alguém publica uma foto do fotógrafo Lucas Landau, que me conecta, imediatamente, com os versos de um hai kai...
"Pinto meu rosto Para me ver exposto, Sonhar em cores."
... Que, para mim, traduzem o "grito" do menino à beira mar com os olhos refletindo os fogos de artifício. Meu primeiro ímpeto é perguntar, como se ele me escutasse, "Você tem fome de que?"; "Você tem sede de que?" Porque você dá as costas à todas…