Pular para o conteúdo principal

Motivação: Vide Bula!


Ouro, prata ou bronze? Não importa a cor do metal dos sonhos conquistado em rompantes de força, coragem, determinação, superação e, necessariamente, motivação. Em 17 dias de Olimpíadas tivemos de tudo um pouco. Domesticamente o Brasil ultrapassou o número de medalhas conquistadas na Olimpíada anterior (Londres, 2.012). No Placar, a marfa de 16 à 19. Mas o que aconteceria com esta marca sem as medalhas dos “desconhecidos”? Se considerarmos, apenas, o Cara da Canoa, daria um empate de 16 à 16. Mas temos, ainda, o Cara do Boxe; a Mina da Maratona Aquática, o Cara do Tiro, o Cara do Salto com Vara, o Cara do Taekwondo... Bem, assim já seria uma derrota pelo placar de 16 à 11. 

Foi o Cara do Taekwondo, mais precisamente o0 seu discurso, que me chamou a atenção para um fenômeno destas Olimpíadas: a proliferação do profissional que cuida das “cabeças” dos atletas. Psicólogo, Personal Coach, Life Coach, Coach Esportivo, etc, etc... Seja lá com qual denominação, muitos foram apresentados à “Mídia” e vaticinaram os seus “milagres”. Não lembro outras Olimpíadas com tantos “desajustados emocionais”. Das lágrimas copiosas aos discursos raivosos, também, tivemos de tudo, mas, principalmente, tivemos em grande número, de perdedores e medalhistas, os discursos “formatados”, cheios de “lugares comuns” e “slogans motivacionais”. Bastava ouvir o atleta para saber que por trás do seu discurso havia uma “Coach de Cabeça”. Como se ganhar ou perder não fosse a coisa mais natural do mundo no esporte, havia em cada disputa a esperança de algo impossível: dois vencedores. 

Talvez por estarmos disputando medalhas “em casa”, houvesse uma maior pressão para vencer e a necessidade de justificar, de forma consistente, as derrotas. Assim os atletas foram para o infortúnio catastrófico e avassalador da perda de qualquer etapa da disputa por uma medalha. 

Não quero fazer julgamento de valores nem desmerecer o trabalho desses profissionais que cuidaram das “cabeças” de nossos atletas, mas penso que em lugar da “bula motivacional”, do vocabulário “padronizado” e do discurso “formatado”, nossos atletas deveriam ter colocado na bagagem suas próprias “histórias” e trajetórias, além, claro, de todo aprendizado em suas respectivas modalidades. 

Ninguém, ninguém mesmo, gosta de perder, mas perder “faz parte” do jogo e ter consciência deste fato poder fazer a diferença no tão falado “psicológico” dos atletas e isso não se aprende de um dia para o outro. Sim, acredito que poder ser aprendido, mas tenho quase certeza que é uma condição natural de pessoas resilientes. Esta é uma condição rara, por isso são poucos os vencedores e muitos os vencidos e em maior número os perdedores. Para os que estão perdendo o sono com isso, deixo um “lugar comum”: “aceita que dói menos”. 

Moral da historia: a motivação que vem de fora é só mais um detalhe na preparação dos atletas ou de qualquer outro profissional. O que faz a diferença entre as cores das medalhas; entre vencedores e perdedores é a “chama” que está dentro de cada atleta, de cada um de nós. Chamem como quiser: garra, gana, força, raiva, explosão, superação, motivação... A verdadeira motivação que não se lê em bulas. 


Vital Sousa 
integrum Consultoria 

Os Mais Lidos Da Semana!

A Cartilha do ABC

Há alguns dias li uma notícia, num site sobre empreendedorismo, que uma empreendedora havia alcançado sucesso em seu negócio com uma inovação: ela estava produzindo sapatos ao gosto do Cliente, isto é: customizados ou personalizados ou, ainda, taylor made – sob medida.
- Como é que é?! Inovação!? Mas quando!?
Sou do tempo que sapatos, roupas, chapéus, joias e outros acessórios e adornos eram confeccionados sob medida e encomenda dos Clientes, então, para mim, esta empreendedora não está inovando: está fazendo o que é bastante comum no mundo da moda: voltando ao passado; fazendo uma releitura de um processo de produção. Não vou me aprofundar neste “revival” calçadista, porque a leitura da noticia me inspirou a fazer minha própria “inovação”: uma Cartilha do ABC para ensinar empreendedores e varejistas o “bê-a-bá” da Gestão de Estoques, Vendas Clientes, Cobrança, Capital de Giro e o fundamental Fluxo de Caixa. A Cartilha do ABC é uma ferramenta gerencial que serve para isso e muito mais.
C…

10 Perguntas Demolidoras

Ter uma Excelente ideia não basta. É preciso saber vender o seu peixe, a qualquer momento que seja preciso. Todo Empreendedor tem a obrigação de conhecer o seu Negócio nos mínimos detalhes. Isso é importante para Vender a ideia e para a gestão do negócio. Todo Empreendedor tem a obrigação de responder, e responder certo, estas 10 perguntas sobreo seu Negócio.
A Young Entrepreneur Council fez uma lista com 10 questões que todos os investidores querem saber do dono de um negócio.
Encarar um grupo de investidores é uma tarefa que exige muita preparação do empreendedor. Se ele quiser conquistar aquele aporte ou investimento para sua startup ou empresa, terá de responder com segurança a todas as dúvidas de seus inquisidores.
Não são perguntas fáceis. Qualquer deslize na explicação do negócio ou desconhecimento de algum detalhe da operação pode custar o tão sonhado capital. Para ajudar os empresários nesse momento de tensão, os diretores do Young Entrepreneur Council, uma associação mundial de…

FALAVarejista!PodCast.Sem15 - "Os Sete Pecados Capitais no Atendimento ao Cliente - DESRESPEITO"

FALA VAREJISTA!
O Pecado do DESRESPEITO é o tiro de misericórdia no Processo de Atendimento: se uma loja não respeita o Cliente, já está morta e não sabe...
Este é um Pecado tão "cabeludo" que preferimos não falar dele e irmos direto para a penitência; para a Solução... - Respeite o Cliente! - Tudo começa com o Respeito! - Respeito é bom e eu gosto! - Respeite para ser Respeitado!
Frases bem populares no nosso dia-a-dia, mas a realidade não corresponde à expectativa... Por isso vamos reforçar a famosa Política de Atendimento da Stew Leonard's, tão importante que foi talhada na pedra para não ser esquecida...
Regra 1. O cliente tem sempre razão; Regra 2. Quando o Cliente nao tiver razão, aplique a Regra 1.
Sempre que repito estas regras, escuto inúmeras controvérsias... Uns não entendem, outros não aceitam, outros discordam em parte, etc, etc, etc... Então para darmos continuidade ao trabalho darei a minha tradução para esta Política:
- Quando se tem a firmeza de dizer que "o C…