Pular para o conteúdo principal

"No Caminho Havia Uma Pedra"



- Tempos difíceis!

- Será mesmo?

- Claro! Ou tu és cego? Não vê o pessimismo estampado na cara dessa gente? A preocupação geral com desemprego, carestia, inflação e toda essa roubalheira?

- Calma... claro que eu sei que pra quem perdeu emprego e dinheiro não vai estar bom mesmo. Mas se tínhamos 5,7 milhões de desempregados há dois anos e agora temos 11 milhões, o que mudou equivale a mais ou menos 5% de perda de empregos. E tem gente perdendo 25, 30, 50% de vendas. Isso eu não entendo.

- É a falta de perspectiva, de segurança. As incertezas que geram depressão coletiva e com isso a redução sintomática do consumo.

- Caraca! Que bonito que você falou! Até parece economista...

- Você brinca porque está empregado. Até recebeu aumento.

- Não é aumento não. São prêmios e incentivos por metas que agora temos na empresa. Vendendo mais, ganhamos ainda mais. Tá funcionando.

- Como assim? Vocês não estão sentindo a crise não?

- Claro que sim! Mas fizemos um plano de contingência, uma projeção estratégica de cenários, planejamos novas metas, mais ambiciosas, nos empenhamos e estamos crescendo.

- Como vocês fizeram isso?

- Uma consultoria que nos assessora disse que se fizermos uma boa execução do ponto de venda, um bom atendimento de vendas e pós-vendas, um ajuste de portfólio compatível com o sortimento dos nossos clientes e consumidores, a modernização de nossas embalagens - aproveitando as mudanças da legislação, se organizarmos melhor nossas logísticas de vendas e de entrega, comprarmos melhor e vendermos melhor, reduzirmos nossos custos operacionais e aumentarmos nossa produtividade, teríamos maior competitividade e as vendas aumentariam, a rentabilidade melhoraria e passaríamos por esse período como se nada estivesse acontecendo. Compramos essa ideia, traçamos nossas metas, fizemos os treinamentos que eles aplicaram com determinação e colocamos nosso bloco na rua. Agora, é só dar show.

- Agora quem está falando que nem consultor é você.

- Achei que se quisesse mesmo fazer acontecer, teria que incorporar os conceitos, comprar minhas brigas internas sobre “mudanças”, arregaçar as mãos e ir à luta. Decisão tomada, meta cumprida! E sabe o que mais? Essa “depressão coletiva” que você falou é uma decisão pessoal e não coletiva. É se deixar arrastar pelo pessimismo e não reagir pra mudar o que não está indo bem. “Irmão, é preciso coragem!” Essa é a frase preferida dos consultores (rsrsrs).

- Pedra!

- Pedra?

- É ... tô lembrando do Carlos Drummond? “No caminho havia uma pedra...”

- Drumom? Pedra? Não entendi. O que isso tem a ver com o nosso papo?

- Drummond é um poeta. Melhor: era. Carlos Drummond de Andrade foi um poeta, contista e cronista do século passado, que tem obras que atravessarão os tempos.

- Hummm!... Mas, e a “pedra”?

- É sobre um poema dele de 1928 chamado “No meio do caminho”. Uma reflexão que faz a gente rever sobre nosso modo de pensar e de agir. Diz assim:

“No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.

Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra.”

- Hummm!... complicado!

- Nem tanto. Veja que todos nós passamos por dificuldades (e hoje tudo parece ainda mais complicado) e Drummond retrata isso de forma repetitiva no seu poema, onde a figura da “pedra” representa esses problemas e fatos marcantes de nossas vidas. Claro que uma “pedra” no caminho atrapalha e que essas dificuldades muitas vezes nos marcam profundamente como “noites sem estrelas”. 

- Ainda não entendi.

- Eu me lembrei desse poema porque vocês fizeram o que eu sempre prego nas palestras motivacionais. Eu faço uma pergunta simples e quase ninguém sabe o que responder: “UMA PEDRA NO CAMINHO OU UM CAMINHO DE PEDRAS?”. Aí, explico sobre o poema e entro com a argumentação de que as “pedras” existem e sempre existirão – fato! Todos temos problemas – ato. O que fazemos delas e com elas é que impacta em cada um de nós. Uns passarão a vida reclamando das “pedras” e de quem os “apedreja”. Outros farão um “caminho de pedras”, apoiando-se nessas experiências e solidificando um novo caminho, gratos mesmo por suas “pedras”.

- Hummm!... Muito interessante isso. Agora é papo de poeta-filósofo! Então você acha que lá na empresa nós pegamos as “pedras” do caminho e transformamos num “caminho de pedras”? Hummm!... Não tinha pensado assim, mas faz sentido.

- Mas, como você disse, “Irmão, é preciso coragem”. Rsrsrs

- É. Tem mesmo que ter coragem. No começo, não foi nada fácil, porque aceitar que depois de mais de 10, 20, 30 anos de “fazer a coisa da mesma forma”, existem maneiras de ser e de agir muito melhores, pra se “fazer a coisa acontecer”. Não é nada fácil. Eu mesmo não me convenci de pronto. Foi preciso que eles provassem que era possível e que pra mudar e ainda ser melhor. E aí, como você disse, incorporei os conceitos, desenvolvi as habilidades e parti pra cima.

- É o CHA. Nessa hora, o D.A.V.I. toma um Diagrama de CHA e vai à luta contra Golias. 

- Já li essa estória. Ensina sobre coragem e fé. Muito legal. Mas, chá? Tomar diagrama de chá???

- Eu explico. Esse Davi não é o mesmo D-A-V-I que eu estou te falando. Trata-se de um neologismo, um conceito, que li no livro do Vital Sousa “Empreendimento Sem Fim - Diário de Um Louco”, onde muitos dos conceitos, que você já incorporou, são apresentados de forma estruturada e lógica. Mas o mais legal é ver esses conceitos aplicados na prática. Uma demonstração de fé naquilo que se acredita e que se “vende” para os outros como verdade. Olha. Vale a pena ler. Acho que você já está preparado para entender um dos principais fundamentos do livro: O Diagrama do CHA.

- Diagrama do Chá? Não seria receita?

- Não. É Diagrama mesmo. Mas esse assunto vai ter que ficar pra uma próxima prosa.

-Hummm! Qual é o nome do livro mesmo? 



Mauro Ramos 
Consultor Organizacional

Os Mais Lidos Da Semana!

10 Perguntas Demolidoras (AP-InCo)

Ter uma Excelente ideia não basta. É preciso saber vender o seu peixe, a qualquer momento que seja preciso. Todo Empreendedor tem a obrigação de conhecer o seu Negócio nos mínimos detalhes. Isso é importante para Vender a ideia e para a gestão do negócio. Todo Empreendedor tem a obrigação de responder, e responder certo, estas 10 perguntas sobreo seu Negócio.
A Young Entrepreneur Council fez uma lista com 10 questões que todos os investidores querem saber do dono de um negócio.
Encarar um grupo de investidores é uma tarefa que exige muita preparação do empreendedor. Se ele quiser conquistar aquele aporte ou investimento para sua startup ou empresa, terá de responder com segurança a todas as dúvidas de seus inquisidores.
Não são perguntas fáceis. Qualquer deslize na explicação do negócio ou desconhecimento de algum detalhe da operação pode custar o tão sonhado capital. Para ajudar os empresários nesse momento de tensão, os diretores do Young Entrepreneur Council, uma associação mundial de…

Rally M+is - Transnordestina

O Rally
O Rally M+is em sua IV Edição – Rally M+is – Transnordestina – estará focando suas expertises no Varejo Alimentar: origem da proposta de trabalho da integrum Consultoria. Suas atividades estarão focadas no desenvolvimento / ampliação do relacionamento dentro da Cadeia de Suprimento e Qualificação de Operadores e Varejistas.
O que eu ganho com isso?
De início, a resposta à pergunta que, acreditamos, surgirá no momento inicial de nossa apresentação: do Consumidor à Indústria, os Benefícios Sistêmicos da maior Interação da Cadeia de Suprimento do Varejo Alimentar.
- Consumidores: MELHOR Atendimento, Preço, Qualidade, Variedade e Conforto; - Varejistas: MAIS Qualificação, Vendas, Gestão e Rentabilidade; - Transportadoras: MAIS Embarques, Precisão, Rapidez, Pontualidade e Eficiência; - Distribuidores: MAIS Mix, Giro, Clientes, Rentabilidade e Liquidez; - Indústrias: MAIS Vendas, Previsibilidade e Rentabilidade!
O Roteiro
O Percurso do Rally M+is – Transnordestina é um retorno às origens: queremos…

De Volta ao Futuro! (AP II)

O Reveillon é um momento de luzes e cores: o branco da paz; o amarelo da prosperidade; o azul da harmonia; o verde da saúde; o laranja da vitalidade - esta deveria ser  a minha cor favorita; o vermelho da paixão... Um verdadeiro arco-íris de desejos e felicitações para um ano que se inicia, iluminado pelas luzes dos fogos de artifício e ao som do hit do dia: Vai Malandra!
No meio dessas "ondas" uma foto em preto e branco grita aos quatro ventos e aos quatro cantos da world wide web. Através de um post transversal nas redes sociais, alguém publica uma foto do fotógrafo Lucas Landau, que me conecta, imediatamente, com os versos de um hai kai...
"Pinto meu rosto Para me ver exposto, Sonhar em cores."
... Que, para mim, traduzem o "grito" do menino à beira mar com os olhos refletindo os fogos de artifício. Meu primeiro ímpeto é perguntar, como se ele me escutasse, "Você tem fome de que?"; "Você tem sede de que?" Porque você dá as costas à todas…