Pular para o conteúdo principal

Prólogo Para Um Louco


“A perplexidade é o início do conhecimento”. [Khalil Gibran]


Eu poderia afirmar que minha narrativa tem início aos dez anos de idade, lá pelos idos de 1.969, em plena Ditadura Militar, quando comecei, pelo que me lembro, a ser chamado de louco. Porque falava sozinho ou conversava comigo mesmo em voz alta; por colecionar citações de grandes pensadores; por substituir as brincadeiras de criança pela leitura voraz de tudo que conseguia pôr as mãos; por desmontar tudo que chegasse às minhas mãos para ver como funcionava; por minhas ideias “revolucionárias” para interferir ou tomar a frente dos negócios do meu pai; pelos incontáveis sonhos de aventuras pelos mundos das minhas leituras...

Dessas leituras, destaco uma biografia de Salvador Dali e o livro O Tambor, de Günter Graas. Além da extensa lista de comportamentos estranhos, meus comentários acerca desses dois livros eram suficientes para confirmar minha fama de criança estranha, para os condescendentes, e louco para a grande maioria das pessoas que me conheciam de perto. Em minha defesa, para que o leitor não abandone o livro na apresentação do autor, lanço mão de uma citação:

“É preciso provocar, sistematicamente, confusão. Isso promove a criatividade. Tudo aquilo que é contraditório gera vida”. [Salvador Dali]

Mas a proposta deste livro não é ser uma autobiografia, então, retomemos a narrativa, com um salto de algumas décadas, para o ponto onde pretendo despertar a atenção de todos para a mais recente das minhas loucuras: o Rally M+is – Transamazônica e para o real objetivo deste livro: um Diário de um Louco com pretensões de Manual de Empreendedorismo.

Mas antes, vamos entender como tudo realmente começa: a minha visão da gênesis de um projeto de vida, uma história que quero transformar em epitáfio.

No início era o pensamento: lógico, coerente, concreto. O pensamento se fez palavra, mas a palavra era pouco para traduzir o pensamento. O pensamento era, por si só, plural, sistêmico, lógico, coerente, concreto. Assim, a palavra se fez atitude: criativa, revolucionária, engajada, sustentável, mas a atitude, ainda, era pouco; o pensamento agora era lógico, coerente, concreto, plural, sistêmico, criativo, revolucionário, engajado, sustentável, mas, ainda, era só pensamento. Assim, a atitude se fez ação. Traduziu-se em fatos e dados históricos, transformou-se em atividades e processos e finalmente o pensamento tirou o tempo de sua inércia.

A cada fração de tempo, milhares de percepções sensoriais – tudo o que vemos, ouvimos e sentimos – tornam-se conscientes, transformando-se em pensamentos e iniciando o processo de formação de emoções e sentimentos acerca dessas percepções, que serão convertidas, em última instância em atitudes, pois naturalmente, tendemos a reagir. Um ciclo único, inconfundível, baseado no mapa mental de cada um de nós, formado a partir das experiências que formam nosso caráter, nosso comportamento. Se pudéssemos ouvir nossos pensamentos, ouviríamos uma verdadeira tempestade de ideias. Alguns conseguem conviver com esse “barulho” na cabeça – ou quem sabe, sequer tomam consciência dele - outros precisam externá-lo em forma de ação.

Na cabeça de um empreendedor – falo por mim e por todos os empreendedores que tive o prazer de conhecer suas histórias, contadas por eles mesmos – pensar não é só pensar: pensar é o exercício ininterrupto de sua personalidade; sua inquietude; sua vontade de transformar-se transformando o mundo que o cerca. Como diria a personagem Tuda, do conto Gertrudes pede um conselho de Clarice Lispector:

- “Doutor, vim perguntar o que faço de mim. Quero saber como mostrar ao mundo que sou uma alguém, uma extraordinária.”

Nenhum médico, monstro ou louco teria coragem para responder, a um empreendedor entusiasmado com um projeto, o que respondeu o nobre Doutor do conto:

- “Não se preocupe. Não é preciso fazer nada. Isso passa.”

Não consultei nenhum médico para tratar minha loucura, mas muitos me disseram que todo esse entusiasmo passaria que eu recobraria o juízo e voltaria a sentar numa mesa de escritório para meu expediente “normal”. Nenhum monstro – os obstáculos que há em nós e à nossa volta – conseguiu deter meu ímpeto de transformar meus pensamentos em ações. O louco da história sou eu mesmo e jamais desistiria de uma ideia viável.

Para mim não passou, não passa. Por isso, só por isso, transformo meus pensamentos em ações; por isso empreendo; por isso estou aqui – com o pensamento transformado em ação, fatos e dados – para contar minha história: calar a voz que tagarela em minha cabeça...

- Vem Tuda, vamos viajar!


[Sousa, Vital. Empreendimento Sem Fim. Recife, 2015]

Os Mais Lidos Da Semana!

A Cartilha do ABC

Há alguns dias li uma notícia, num site sobre empreendedorismo, que uma empreendedora havia alcançado sucesso em seu negócio com uma inovação: ela estava produzindo sapatos ao gosto do Cliente, isto é: customizados ou personalizados ou, ainda, taylor made – sob medida.
- Como é que é?! Inovação!? Mas quando!?
Sou do tempo que sapatos, roupas, chapéus, joias e outros acessórios e adornos eram confeccionados sob medida e encomenda dos Clientes, então, para mim, esta empreendedora não está inovando: está fazendo o que é bastante comum no mundo da moda: voltando ao passado; fazendo uma releitura de um processo de produção. Não vou me aprofundar neste “revival” calçadista, porque a leitura da noticia me inspirou a fazer minha própria “inovação”: uma Cartilha do ABC para ensinar empreendedores e varejistas o “bê-a-bá” da Gestão de Estoques, Vendas Clientes, Cobrança, Capital de Giro e o fundamental Fluxo de Caixa. A Cartilha do ABC é uma ferramenta gerencial que serve para isso e muito mais.
C…

10 Perguntas Demolidoras

Ter uma Excelente ideia não basta. É preciso saber vender o seu peixe, a qualquer momento que seja preciso. Todo Empreendedor tem a obrigação de conhecer o seu Negócio nos mínimos detalhes. Isso é importante para Vender a ideia e para a gestão do negócio. Todo Empreendedor tem a obrigação de responder, e responder certo, estas 10 perguntas sobreo seu Negócio.
A Young Entrepreneur Council fez uma lista com 10 questões que todos os investidores querem saber do dono de um negócio.
Encarar um grupo de investidores é uma tarefa que exige muita preparação do empreendedor. Se ele quiser conquistar aquele aporte ou investimento para sua startup ou empresa, terá de responder com segurança a todas as dúvidas de seus inquisidores.
Não são perguntas fáceis. Qualquer deslize na explicação do negócio ou desconhecimento de algum detalhe da operação pode custar o tão sonhado capital. Para ajudar os empresários nesse momento de tensão, os diretores do Young Entrepreneur Council, uma associação mundial de…

O Sorriso do Coringa

Lá pela segunda metade dos anos 80, depois de um “papo cabeça” com um psicanalista, passei de “Yuppie Carrancudo” para “Grunge Sorridente”. Os colegas diriam que por culpa da crise dos trinta, eu, melhor dizendo, diria que "graças" à crise dos trinta. Aceitei o conselho do profissional recomendado para acompanhar algumas mudanças na vida pessoal e profissional. Na época o termo ainda não virara moda, mas passei por um processo de Coaching de Carreira. O conselho, segundo o profissional, deveria resolver metade dos meus problemas... WOW!!! Um conselho bastante tentador, impossível de não ser acatado, pelos resultados prometidos e também pela simplicidade:

- Sorria. Metade dos seus problemas vão sumir... Sorria!!!
À primeira vista o conselho era muito fácil de ser seguido, afinal quem não sabe sorrir, sorrir é algo natural, sorrir é o melhor remédio para tudo... Porque eu não havia pensado nisso antes? Precisei gastar uma grana preta para descobrir o óbvio? Ao invés de ficar zan…