Pular para o conteúdo principal

Disrupção


Essa é do “Top”! Sentiram a “pressão”? Pois é: de tempos em tempos, nos mais diversos cenários, surgem, em todas as bocas e textos, palavras que merecem destaque na “mídia”. Geralmente são neologismos – palavras inventadas – ou traduções de palavras estrangeiras ou, ainda, estas palavras utilizadas com as mais diversas pronúncias.

“Pedaladas”, “impeachment”, “diferenciado”,”selfie”, “viralizar”, “coaching”, “bombar”, “whatsapp”... “Disrupção”: esta é a “bola da vez”, nossa sorteada para uma análise “morfológica”. No Google encontramos, apenas, 73.100 resultados: muito pouco em termos de internet, mostrando que é, realmente, uma “inovação”. A palavra surgiu no cenário empresarial e já está nas listas “top” de nomes que são “referências” e ditam “tendências” no Setor. 

“Disrupção” para lá e para cá; nisso, disso e daquilo... Mas o que diabos é “disrupção”? Está na hora de esclarecer, conhecer e compreender esse “palavrão”: pois seu efeito é “bafônico”. O termo surgiu numa das mais respeitadas universidades do mundo: Harvard. Foi criado pelo Professor Clayton Christensen e é utilizado para descrever inovações, de grande impacto, que oferecem produtos acessíveis, criando um novo mercado consumidor. A entrada desses produtos no mercado podem desestabilizar empresas que eram líderes no Setor. Estas condições são fortemente ampliadas com o desenvolvimento da internet, que se consolida dia após dia, como terreno fértil para “revoluções” mercadológicas. “Startups” de garagem que podem “da noite para o dia”, se transformarem em gigantes globais, tais como Netflix, Microsoft, Apple e Google. Ao citar estas marcas compreendemos o porquê de tanto “buzz” com a palavra “disrupção” e por que todo mundo está querendo ser “disruptivo”.

Mas nem só de alta tecnologia vive a “disrupção”. Qualquer empreendedor que entre num mercado consolidado, oferecendo alternativas viáveis, pode ser considerado “disruptivo”. Isto posto, considerando o arranjo econômico do nosso negócio e nossa proposta de valor... “Caraca Muleke!” Nós temos um negócio “disruptivo”...

Outro ponto em comum é que negócios “disruptivos”, geralmente, não são recebidos com bons olhos pelos consumidores e com indiferença pelos concorrentes, mas ao entrarem, de forma definitiva, na vida das pessoas, consolidam-se, rapidamente, como “diferenciais estratégicos” para as Empresas. Assim nos posicionamos: queremos fazer diferença na vida das pessoas e estamos trabalhando com uma “visão” de futuro, com a certeza de que, no nosso Setor, ou promovemos a “inovação” ou seremos “disruptidos”... Quem sobreviver verá para contar!!!

Neste atual cenário do Varejo Mundial, e dos confins dos sertões tupiniquins, onde as novas tecnologias, internet, tecnologia mobile, aplicativos e redes sociais estão provocando uma r-evolução na forma como os Clientes demandam atendimento de suas necessidades, desejos e expectativas, os gestores estão arrancando os cabelos para serem "disruptivos" e oferecerem um "produto" que agrade os seus consumidores em escala global, nada menos, nada mais. Agora os "nichos" estão sendo colocados na berlinda - al alcance dos dedos do consumidor: a tela do smartphone - e em escala global. Ser "disruptivo" é uma questão de sobrevivência.


Vital Sousa
VTL Marketing

Os Mais Lidos Da Semana!

A Cartilha do ABC

Há alguns dias li uma notícia, num site sobre empreendedorismo, que uma empreendedora havia alcançado sucesso em seu negócio com uma inovação: ela estava produzindo sapatos ao gosto do Cliente, isto é: customizados ou personalizados ou, ainda, taylor made – sob medida.
- Como é que é?! Inovação!? Mas quando!?
Sou do tempo que sapatos, roupas, chapéus, joias e outros acessórios e adornos eram confeccionados sob medida e encomenda dos Clientes, então, para mim, esta empreendedora não está inovando: está fazendo o que é bastante comum no mundo da moda: voltando ao passado; fazendo uma releitura de um processo de produção. Não vou me aprofundar neste “revival” calçadista, porque a leitura da noticia me inspirou a fazer minha própria “inovação”: uma Cartilha do ABC para ensinar empreendedores e varejistas o “bê-a-bá” da Gestão de Estoques, Vendas Clientes, Cobrança, Capital de Giro e o fundamental Fluxo de Caixa. A Cartilha do ABC é uma ferramenta gerencial que serve para isso e muito mais.
C…

O Sorriso do Coringa

Lá pela segunda metade dos anos 80, depois de um “papo cabeça” com um psicanalista, passei de “Yuppie Carrancudo” para “Grunge Sorridente”. Os colegas diriam que por culpa da crise dos trinta, eu, melhor dizendo, diria que "graças" à crise dos trinta. Aceitei o conselho do profissional recomendado para acompanhar algumas mudanças na vida pessoal e profissional. Na época o termo ainda não virara moda, mas passei por um processo de Coaching de Carreira. O conselho, segundo o profissional, deveria resolver metade dos meus problemas... WOW!!! Um conselho bastante tentador, impossível de não ser acatado, pelos resultados prometidos e também pela simplicidade:

- Sorria. Metade dos seus problemas vão sumir... Sorria!!!
À primeira vista o conselho era muito fácil de ser seguido, afinal quem não sabe sorrir, sorrir é algo natural, sorrir é o melhor remédio para tudo... Porque eu não havia pensado nisso antes? Precisei gastar uma grana preta para descobrir o óbvio? Ao invés de ficar zan…

10 Perguntas Demolidoras

Ter uma Excelente ideia não basta. É preciso saber vender o seu peixe, a qualquer momento que seja preciso. Todo Empreendedor tem a obrigação de conhecer o seu Negócio nos mínimos detalhes. Isso é importante para Vender a ideia e para a gestão do negócio. Todo Empreendedor tem a obrigação de responder, e responder certo, estas 10 perguntas sobreo seu Negócio.
A Young Entrepreneur Council fez uma lista com 10 questões que todos os investidores querem saber do dono de um negócio.
Encarar um grupo de investidores é uma tarefa que exige muita preparação do empreendedor. Se ele quiser conquistar aquele aporte ou investimento para sua startup ou empresa, terá de responder com segurança a todas as dúvidas de seus inquisidores.
Não são perguntas fáceis. Qualquer deslize na explicação do negócio ou desconhecimento de algum detalhe da operação pode custar o tão sonhado capital. Para ajudar os empresários nesse momento de tensão, os diretores do Young Entrepreneur Council, uma associação mundial de…