Pular para o conteúdo principal

Engajamento uma Ova!!!



Parece coisa do tipo “Teoria da Conspiração”, que está tudo combinado, tudo dominado, quando, de repente, sem mais nem menos, há uma verdadeira avalanche de determinada expressão nos meios de comunicação, com destaque para as Mídias Sociais. A “figurinha carimbada” da vez, da hora, que visualizamos como “selfie” nas Redes Sociais, que “viraliza”, que provoca “buzzz”, que torra a paciência, que enche o... Oops!!! Muita calma nessa hora...


Parece que estou exagerando, que estou – no coloquial – radicalizando, mas não estou. Aliás, vamos radicalizar na acepção formal da palavra e buscar a origem, a "raiz" desta “figurinha carimbada”, que, acredito, o leitor já deve ter identificado: o Engajamento!!!

Segundo o Dicionário Online Michaelis, o verbo “engajar” tem origem na palavra francesa “engager” e tem os seguintes significados:

engajar 
en.ga.jar 
(fr engager) 

1 Contratar para serviço pessoal: Engajar colonos. Engajou-o como vaqueiro. O outro também engajou-se. Engajara-se como peão. 
2 Alistar (marinheiros). 
3 Aliciar para emigração. 
4 Alistar-se nas forças armadas. 
5 Empenhar-se num trabalho ou luta. 

Lendo as acepções do termo “engajar” as primeiras perguntas que me vêm à cabeça são: - Em que sentido as pessoas estão usando o termo “engajamento” nos textos que publicam freneticamente? – Com qual motivação as Empresas esperam que os profissionais estejam engajados? Talvez para combater a “falta de comprometimento das pessoas com a empresa", a "falta de pessoas que não vestem a camisa da Empresa", a "falta de pessoas que fazem o que deve ser feito, mesmo quando não estão sendo 'vigiadas', pelo patrão"... Essas são expressões que escuto corriqueiramente de meus Clientes.

Nessas ocasiões, de pronto, me vem a cabeça uma frase do Einstein que diz quase tudo sobre o que acredito nesses "movimentos verbais" que, ciclicamente povoam o mundo das comunicações corporativas. Lembro de alguns outros "movimentos"... Inteligência Emocional, PNL, Gatilhos Mentais, Fluxo, Coaching, Liderança Servidora, etc, etc... UFA!!! Vamos à frase e voltamos a surfar a "onda" do Engajamento...

"Detesto, de saída, quem é capaz de marchar em formação com prazer ao som de uma banda. Nasceu com cérebro por engano; bastava-lhe a medula espinhal". [Albert Einstein]

Com a leitura de algumas dessas publicações, é possível afirmar que todas as acepções correspondem às expectativas. Numa “literatura motivacional” que situa o mundo corporativo e seus habitantes nos mais diversos ambientes, desde o “capa e espada” até o “faca na caveira”, Executivos e Empresas esperam que seus funcionários estejam seduzidos pela causa; focados nos resultados e alinhados com os valores de cada organização.

A tirinha dá uma ideia sobre a realidade do Engajamento na Teoria e na Prática.
No meio do caminho havia um Executivo, um CEO, um Líder... Há algum tempo li numa pesquisa que 71,0% das pessoas que deixam uma Empresa, deixam por causa do "Chefe" (da comunicação com o Chefe). Por outro lado 86,0% dos "Chefes" (dos Empresários) se acham ótimos comunicadores. Neste ponto o engajamento empaca na beira do abismo entre a Comunicação dos Executivos / Empresas e a realidade corporativa.

Segundo Carter e Underwood, em seu livro O Princípio da Significância, "a força motriz básica do comportamento humano é o desejo de ser aceito, compreendido, apreciado e reconhecido". Logo, se a empresa oferece bons salários, benefícios, bom ambiente, mas o líder não é um incentivador, ou seja, não reconhece e valoriza seus funcionários, alguma coisa fica comprometida. Assim como, se o líder for um bom ouvinte, agregador e focado no desenvolvimento, mas a empresa peca nos quesitos salários e benefícios, será difícil reter os colaboradores. O bom clima organizacional também é um fator essencial para o engajamento do empregado. É importante que a empresa esteja preocupada em cercar-se de todos os lados possíveis a fim de promover o engajamento. 

Deve-se ressaltar que, atualmente, as companhias exigem cada vez mais de seus funcionários, e isso pode gerar uma insatisfação, por sentir que nunca faz o suficiente pela empresa. Por outro lado, estes estão cada vez mais capacitados, bem informados, atualizados e também exigentes. A saída para as empresas conquistarem o comprometimento dos colaboradores tem sido uma adequação dos contratos de trabalho, ou seja, dar mais autonomia, flexibilidade, tratá-los com mais respeito e cuidado. Fazer com que se sintam únicos e essenciais à empresa. Vemos muito isso no mundo da alta tecnologia. Isto também pode gerar o engajamento tão desejado.

É o que Ulrich, Zenger e Smallwood chamam em seu livro Liderança Orientada para o Resultado de "customização de massa do contrato com o empregado". Também neste livro, os autores salientam que "o capital humano é um dos poucos ativos capazes de aumentar de valor. A maioria dos ativos (prédios, fábricas, equipamentos ou máquinas, por exemplo), começa a depreciar no momento da aquisição. Ao contrário, o valor do capital humano, recurso impregnado nas mentes e corações das pessoas, pode e deve crescer, como condição essencial para a prosperidade da empresa".

Portanto, instigar o engajamento ou a paixão dos empregados é um investimento, que pode ter um custo para a empresa, mas é sempre recompensador. Em outra pesquisa publicada pela Gallup em 2002, nos Estados Unidos, foi demonstrado que empregados engajados são mais produtivos. A pesquisa também comprova que eles são mais lucrativos, mais focados nos clientes, mais seguros e mais resistentes às propostas de sair da empresa. O que mais as empresas podem querer? 

Então, caro Empresário, antes de reclamar, verifique se na sua Empresa, desenvolve-se um Ambiente Corporativo, um Clima Organizacional voltado a promover o Engajamento; o velho e bom "Vestir a Camisa". Veja abaixo um teste simples para verificar esta condição na sua Empresa.

1) A empresa conta com uma padronização, sem ficar totalmente a mercê de competências individuais?
2) O processo de seleção é feito de forma estruturada, com critérios pré-estabelecidos?
3) O treinamento é suficiente e feito por profissionais competentes?
4) Há clareza na forma de transferir responsabilidades?
5) Há alguma forma de valorização concreta baseada em meritocracia?
6) Existem Políticas de Engajamento? 



Vital Sousa
VTL Marketing

Comentários

Os Mais Lidos Da Semana!

A Cartilha do ABC

Há alguns dias li uma notícia, num site sobre empreendedorismo, que uma empreendedora havia alcançado sucesso em seu negócio com uma inovação: ela estava produzindo sapatos ao gosto do Cliente, isto é: customizados ou personalizados ou, ainda, taylor made – sob medida.
- Como é que é?! Inovação!? Mas quando!?
Sou do tempo que sapatos, roupas, chapéus, joias e outros acessórios e adornos eram confeccionados sob medida e encomenda dos Clientes, então, para mim, esta empreendedora não está inovando: está fazendo o que é bastante comum no mundo da moda: voltando ao passado; fazendo uma releitura de um processo de produção. Não vou me aprofundar neste “revival” calçadista, porque a leitura da noticia me inspirou a fazer minha própria “inovação”: uma Cartilha do ABC para ensinar empreendedores e varejistas o “bê-a-bá” da Gestão de Estoques, Vendas Clientes, Cobrança, Capital de Giro e o fundamental Fluxo de Caixa. A Cartilha do ABC é uma ferramenta gerencial que serve para isso e muito mais.
C…

10 Perguntas Demolidoras

Ter uma Excelente ideia não basta. É preciso saber vender o seu peixe, a qualquer momento que seja preciso. Todo Empreendedor tem a obrigação de conhecer o seu Negócio nos mínimos detalhes. Isso é importante para Vender a ideia e para a gestão do negócio. Todo Empreendedor tem a obrigação de responder, e responder certo, estas 10 perguntas sobreo seu Negócio.
A Young Entrepreneur Council fez uma lista com 10 questões que todos os investidores querem saber do dono de um negócio.
Encarar um grupo de investidores é uma tarefa que exige muita preparação do empreendedor. Se ele quiser conquistar aquele aporte ou investimento para sua startup ou empresa, terá de responder com segurança a todas as dúvidas de seus inquisidores.
Não são perguntas fáceis. Qualquer deslize na explicação do negócio ou desconhecimento de algum detalhe da operação pode custar o tão sonhado capital. Para ajudar os empresários nesse momento de tensão, os diretores do Young Entrepreneur Council, uma associação mundial de…

O Sorriso do Coringa

Lá pela segunda metade dos anos 80, depois de um “papo cabeça” com um psicanalista, passei de “Yuppie Carrancudo” para “Grunge Sorridente”. Os colegas diriam que por culpa da crise dos trinta, eu, melhor dizendo, diria que "graças" à crise dos trinta. Aceitei o conselho do profissional recomendado para acompanhar algumas mudanças na vida pessoal e profissional. Na época o termo ainda não virara moda, mas passei por um processo de Coaching de Carreira. O conselho, segundo o profissional, deveria resolver metade dos meus problemas... WOW!!! Um conselho bastante tentador, impossível de não ser acatado, pelos resultados prometidos e também pela simplicidade:

- Sorria. Metade dos seus problemas vão sumir... Sorria!!!
À primeira vista o conselho era muito fácil de ser seguido, afinal quem não sabe sorrir, sorrir é algo natural, sorrir é o melhor remédio para tudo... Porque eu não havia pensado nisso antes? Precisei gastar uma grana preta para descobrir o óbvio? Ao invés de ficar zan…