Pular para o conteúdo principal

A Pirâmide do Consumo



Há alguns anos a Classe C, a chamada "Cezona" está na berlinda do Consumo. A evolução do poder aquisitivo dos brasileiros - via ascensão social ou pedalada fiscal - desenha uma nova realidade e projeta um futuro, digamos, quadrado. A pirâmide econômica contava com 40% dos brasileiros enquadrados na classe média em 2004. Uma década depois o número passou para 56%. Em 2024 serão 58. A Tradicional figura da Pirâmide Social está se transformando em um Losango Social.

Mesmo com o momento de desaceleração econômica, a classe média deverá manter o consumo em torno de R$ 1,35 trilhão este ano. Para não parar de comprar, esses consumidores tentarão administrar custos. A previsão é que muitos façam planejamento na hora de pagar as contas para manter hábitos de consumo.

É o que indica estudo da consultoria Data Popular, que aponta questões como entender e conseguir oferecer produtos e condições de compra para a nova classe média como o grande diferencial para as empresas continuarem a crescer em meio à situação de menor consumo.

Segundo o presidente da entidade, Renato Meirelles, pesquisa realizada pelo instituto aponta que 19% da população mundial vive atualmente com renda per capita de R$ 1.184,00, valor que é a nova classe média detém.

Pirâmide

Meirelles destacou ainda que nos últimos dez anos, a população do País cresceu de baixo para cima, ou seja, passou em 2004 de cerca de 40% dos brasileiros na classe média, para em 2014 representar 56%. Na próxima década, ou seja, em 2024, a expectativa é esse perfil seja 58% no País.


O maior desafio apontado por Meirelles é que o empresário entenda que este perfil de consumidor tem padrões de consumo e preferências diferentes da classe A e B. “Vocês já se perguntaram por qual motivo em bairros da periferia da cidade existe uma procura alta por produtos premium? Porque as pessoas que aumentaram o poder de consumo não têm a necessidade de sair dos seus bairros?”, questionou.

Para reforçar ainda mais o poder de consumo desta classe, Meirelles destacou que 52% das pessoas da classe C possuem conta em banco e 65% possuem cartão de crédito. No entanto, esta classe média possui pouco conhecimento e teve pouco acesso a educação financeira, pelo menos 32% deles acreditam que pagar o valor mínimo do cartão de crédito não paga juros, por exemplo. Ainda segundo a pesquisa, 89% dos entrevistados assume que está mais exigente em relação aos serviços oferecidos.

Inflação

Relembrar os difíceis momentos que o País vivenciou na economia com momentos de alta da taxa de inflação, há alguns anos, pode fazer o empresário entender que o Brasil já enfrentou situações muito mais complexas que esta, afirmou ele, “Este não é o pior momento que o comércio passa. E esses consumidores possuem um perfil mais resiliente, de pessoas acostumadas a passarem por situações de crise.”

Outro nicho com potencial de consumo são 12,3 milhões de pessoas que moram em favelas no País. “Se fossem reunidas em um estado, ele seria o quinto maior. Estes moradores irão movimentar R$ 68,5 bilhões em 2015, frente a R$ 43 bilhões do ano anterior. O poder de consumo é maior que 15 estados brasileiros, como o Espírito Santo, por exemplo.”

Sobre a confiança do consumidor da classe média em relação a situação do salários, apenas 9% acreditam que os salários irão aumentar, 37% dizem que o salários devem crescer abaixo da inflação e 53% não tem expectativas que o salários irão aumentar. No entanto, em contra partida, 62% afirmam que a sua vida pessoal irá melhorar. “É importante ressaltar que a nova classe econômica investe em formas para gerar mais renda e não deposita confiança apenas nas ações do governo, mas em sua própria força de trabalho. Afinal, 45% desses consumidores têm renda extra, além do seu salário”, finalizou Meirelles.

Diante deste cenário, a atualização dos parâmetros de atendimento torna-se uma questão de sobrevivência. A Adoção de Instrumentos de Gestão baseados na Tecnologia da Informação é imprescindível para manter-se no mercado de forma competitiva e sustentável.

Fonte: DCI


Vital Sousa
integrum Consultoria

Os Mais Lidos Da Semana!

O Líder Situacional Sistêmico

Todos querem Comprometimento , todos querem Engajamento , todos querem colaboradores Motivados , todos querem Equipes de Alto Rendimento ... Mas, quantos se preocupam, verdadeiramente, com as Condições de Trabalho, com o Clima Organizacional, com as Pessoas Certas nos Lugares Certos, com Pessoas que pensam em Pessoas?  Acredito que os Resultados tenham a prioridade nesta lista de situações. Resultados como Objetivo e não como Consequência de um trabalho bem feito. Resultados pelos Resultados: simples assim. Não sou contra os Resultados, nem contra os que os buscam determinadamente, afinal eu estou entre eles. O Lucro não é um "Pecado". Mas, lembrando de um lugar comum, o único lugar em que o Resultado vem antes do Trabalho é no Dicionário. Se você quer Comprometimento, Engajamento, Motivação e uma Equipe de Alto Rendimento , "fora da curva", aprenda a Liderar. Aprenda a conviver com a Liderança Situacional Sistêmica . " Com talento, ganhamos partidas. Com &

10 Perguntas Demolidoras

Ter uma Excelente ideia não basta. É preciso saber vender o seu peixe, a qualquer momento que seja preciso. Todo Empreendedor tem a obrigação de conhecer o seu Negócio nos mínimos detalhes. Isso é importante para Vender a ideia e para a gestão do negócio. Todo Empreendedor tem a obrigação de responder, e responder certo, estas 10 perguntas sobreo seu Negócio. A Young Entrepreneur Council fez uma lista com 10 questões que todos os investidores querem saber do dono de um negócio. Encarar um grupo de investidores é uma tarefa que exige muita preparação do empreendedor. Se ele quiser conquistar aquele aporte ou investimento para sua startup ou empresa, terá de responder com segurança a todas as dúvidas de seus inquisidores. Não são perguntas fáceis. Qualquer deslize na explicação do negócio ou desconhecimento de algum detalhe da operação pode custar o tão sonhado capital. Para ajudar os empresários nesse momento de tensão, os diretores do Young Entrepreneur Council, uma as

BLITZ TQV - Qualidade Total no Varejo

Pesquisas de Satisfação são ótimos indicadores da qualidade de Produtos e Serviços. Melhor do que isto são os Guias de Críticos e Consultores que avaliam criteriosamente o Ponto de Vendas e Prestador de Serviços. Baseados nestas premissas, criamos a BLITZ TQV - Qualidade Total no Varejo , para divulgar Melhores Práticas no Varejo de Vizinhança - a famosa "Loja de Bairro" - de todos os segmentos, e garantir que Qualidade e Melhor Preço não sejam Propaganda Enganosa. A BLITZ TQV está focada em Pontos de Vendas que mereçam a nossa atenção como Referência em seu segmento de mercado, pela Excelência no Atendimento ao Cliente , que possam ser considerados como provedores de Excelentes Experiências de Compras , consideradas pela ótica dos seguintes parâmetros: Qualidade dos Produtos / Serviços, Conforto, Excelência no Atendimento ao Cliente, Conveniência (Proximidade) e Melhores Preços. Nossa avaliação será "in loco", com a utilização da