Pular para o conteúdo principal

A Pirâmide do Consumo



Há alguns anos a Classe C, a chamada "Cezona" está na berlinda do Consumo. A evolução do poder aquisitivo dos brasileiros - via ascensão social ou pedalada fiscal - desenha uma nova realidade e projeta um futuro, digamos, quadrado. A pirâmide econômica contava com 40% dos brasileiros enquadrados na classe média em 2004. Uma década depois o número passou para 56%. Em 2024 serão 58. A Tradicional figura da Pirâmide Social está se transformando em um Losango Social.

Mesmo com o momento de desaceleração econômica, a classe média deverá manter o consumo em torno de R$ 1,35 trilhão este ano. Para não parar de comprar, esses consumidores tentarão administrar custos. A previsão é que muitos façam planejamento na hora de pagar as contas para manter hábitos de consumo.

É o que indica estudo da consultoria Data Popular, que aponta questões como entender e conseguir oferecer produtos e condições de compra para a nova classe média como o grande diferencial para as empresas continuarem a crescer em meio à situação de menor consumo.

Segundo o presidente da entidade, Renato Meirelles, pesquisa realizada pelo instituto aponta que 19% da população mundial vive atualmente com renda per capita de R$ 1.184,00, valor que é a nova classe média detém.

Pirâmide

Meirelles destacou ainda que nos últimos dez anos, a população do País cresceu de baixo para cima, ou seja, passou em 2004 de cerca de 40% dos brasileiros na classe média, para em 2014 representar 56%. Na próxima década, ou seja, em 2024, a expectativa é esse perfil seja 58% no País.


O maior desafio apontado por Meirelles é que o empresário entenda que este perfil de consumidor tem padrões de consumo e preferências diferentes da classe A e B. “Vocês já se perguntaram por qual motivo em bairros da periferia da cidade existe uma procura alta por produtos premium? Porque as pessoas que aumentaram o poder de consumo não têm a necessidade de sair dos seus bairros?”, questionou.

Para reforçar ainda mais o poder de consumo desta classe, Meirelles destacou que 52% das pessoas da classe C possuem conta em banco e 65% possuem cartão de crédito. No entanto, esta classe média possui pouco conhecimento e teve pouco acesso a educação financeira, pelo menos 32% deles acreditam que pagar o valor mínimo do cartão de crédito não paga juros, por exemplo. Ainda segundo a pesquisa, 89% dos entrevistados assume que está mais exigente em relação aos serviços oferecidos.

Inflação

Relembrar os difíceis momentos que o País vivenciou na economia com momentos de alta da taxa de inflação, há alguns anos, pode fazer o empresário entender que o Brasil já enfrentou situações muito mais complexas que esta, afirmou ele, “Este não é o pior momento que o comércio passa. E esses consumidores possuem um perfil mais resiliente, de pessoas acostumadas a passarem por situações de crise.”

Outro nicho com potencial de consumo são 12,3 milhões de pessoas que moram em favelas no País. “Se fossem reunidas em um estado, ele seria o quinto maior. Estes moradores irão movimentar R$ 68,5 bilhões em 2015, frente a R$ 43 bilhões do ano anterior. O poder de consumo é maior que 15 estados brasileiros, como o Espírito Santo, por exemplo.”

Sobre a confiança do consumidor da classe média em relação a situação do salários, apenas 9% acreditam que os salários irão aumentar, 37% dizem que o salários devem crescer abaixo da inflação e 53% não tem expectativas que o salários irão aumentar. No entanto, em contra partida, 62% afirmam que a sua vida pessoal irá melhorar. “É importante ressaltar que a nova classe econômica investe em formas para gerar mais renda e não deposita confiança apenas nas ações do governo, mas em sua própria força de trabalho. Afinal, 45% desses consumidores têm renda extra, além do seu salário”, finalizou Meirelles.

Diante deste cenário, a atualização dos parâmetros de atendimento torna-se uma questão de sobrevivência. A Adoção de Instrumentos de Gestão baseados na Tecnologia da Informação é imprescindível para manter-se no mercado de forma competitiva e sustentável.

Fonte: DCI


Vital Sousa
integrum Consultoria

Os Mais Lidos Da Semana!

A Cartilha do ABC

Há alguns dias li uma notícia, num site sobre empreendedorismo, que uma empreendedora havia alcançado sucesso em seu negócio com uma inovação: ela estava produzindo sapatos ao gosto do Cliente, isto é: customizados ou personalizados ou, ainda, taylor made – sob medida.
- Como é que é?! Inovação!? Mas quando!?
Sou do tempo que sapatos, roupas, chapéus, joias e outros acessórios e adornos eram confeccionados sob medida e encomenda dos Clientes, então, para mim, esta empreendedora não está inovando: está fazendo o que é bastante comum no mundo da moda: voltando ao passado; fazendo uma releitura de um processo de produção. Não vou me aprofundar neste “revival” calçadista, porque a leitura da noticia me inspirou a fazer minha própria “inovação”: uma Cartilha do ABC para ensinar empreendedores e varejistas o “bê-a-bá” da Gestão de Estoques, Vendas Clientes, Cobrança, Capital de Giro e o fundamental Fluxo de Caixa. A Cartilha do ABC é uma ferramenta gerencial que serve para isso e muito mais.
C…

O Sorriso do Coringa

Lá pela segunda metade dos anos 80, depois de um “papo cabeça” com um psicanalista, passei de “Yuppie Carrancudo” para “Grunge Sorridente”. Os colegas diriam que por culpa da crise dos trinta, eu, melhor dizendo, diria que "graças" à crise dos trinta. Aceitei o conselho do profissional recomendado para acompanhar algumas mudanças na vida pessoal e profissional. Na época o termo ainda não virara moda, mas passei por um processo de Coaching de Carreira. O conselho, segundo o profissional, deveria resolver metade dos meus problemas... WOW!!! Um conselho bastante tentador, impossível de não ser acatado, pelos resultados prometidos e também pela simplicidade:

- Sorria. Metade dos seus problemas vão sumir... Sorria!!!
À primeira vista o conselho era muito fácil de ser seguido, afinal quem não sabe sorrir, sorrir é algo natural, sorrir é o melhor remédio para tudo... Porque eu não havia pensado nisso antes? Precisei gastar uma grana preta para descobrir o óbvio? Ao invés de ficar zan…

10 Perguntas Demolidoras

Ter uma Excelente ideia não basta. É preciso saber vender o seu peixe, a qualquer momento que seja preciso. Todo Empreendedor tem a obrigação de conhecer o seu Negócio nos mínimos detalhes. Isso é importante para Vender a ideia e para a gestão do negócio. Todo Empreendedor tem a obrigação de responder, e responder certo, estas 10 perguntas sobreo seu Negócio.
A Young Entrepreneur Council fez uma lista com 10 questões que todos os investidores querem saber do dono de um negócio.
Encarar um grupo de investidores é uma tarefa que exige muita preparação do empreendedor. Se ele quiser conquistar aquele aporte ou investimento para sua startup ou empresa, terá de responder com segurança a todas as dúvidas de seus inquisidores.
Não são perguntas fáceis. Qualquer deslize na explicação do negócio ou desconhecimento de algum detalhe da operação pode custar o tão sonhado capital. Para ajudar os empresários nesse momento de tensão, os diretores do Young Entrepreneur Council, uma associação mundial de…