Pular para o conteúdo principal

O Novo Eu



“A vitória sobre si mesmo é
a maior de todas as vitórias.”
[Buda]



Eu não sei nadar. Consequentemente, os maiores perrengues no Rally M+is – Transamazônica foram as travessias dos rios que cortam a BR – 230 onde, ainda, não existem pontes. Aliás, uma precária ponte de madeira me dava mais segurança que uma grande balsa de aço, com capacidade para centenas de toneladas, empurrada por um rebocador.

Medo de acidentes; medo de noites ao relento; medo da fome; medo da sede; medos diversos... Pavor de águas profundas.

Do banco do carona, quase vi concretizado, por duas vezes, o meu medo de acidentes, provavelmente, da primeira “oportunidade” eu não sairia vivo para contar a história;

Deitado em uma rede emprestada; num colchão improvisado com uma lâmina de espuma ou mesmo sentado em uma poltrona de plástico, minhas noites ao relento foram experiências enriquecedoras na companhia de vigias, frentistas, caminhoneiros e outros viajantes. Com eles substituí o medo pela solidariedade e pelo companheirismo na estrada;

Com goiabas e ingás colhidos na beira da estrada, tucumã e biscoitos cream cracker pode-se servir verdadeiros banquetes. A fome ou o medo dela é um problema bem simples de resolver. Além dessas iguarias nas estradas, nos centros urbanos a estratégia “Working For Feed” forneceu o suficiente para garantir a minha satisfação alimentar;

Um cooler ou qualquer recipiente de plástico, vidro, metal e um posto de combustíveis: tudo que o viajante precisa para garantir que o medo da sede seja afastado para bem longe. Longe dos centros urbanos, em plena selva, as águas cristalinas de rios e igarapés substituem, com larga margem de satisfação, uma garrafa da melhor água mineral;

O problema não é a água para beber, mas a água sob meus pés, com dezenas de metros de profundidade e extensão. Igarapés que parecem rios, rios que parecem oceanos: eis o “x” da questão. Da primeira travessia no Rio Xingu, Altamira (PA) à última no Rio Mucuí, Canutama (AM), foram sete travessias: da penúltima não esquecerei jamais. Por forças das circunstâncias eu repetiria essa experiência, de forma mais tranquila, antes de chegar na Amazônia de terras firmes a partir de Porto Velho (RO). Minha decisão de voltar pelo sul da Amazônia Legal, deveu-se em grande parte ao meu pavor de águas profundas ainda não solucionado.

Já descrevi a travessia do Mucuí, sentido Humaitá – Lábrea (AM), o maior perrengue do trecho e de toda a viagem. Quero agora falar de suas consequências: de como iniciei a travessia e de como alcancei o outro lado do rio como O Novo Eu.

Relatividade. Mesmo graves, os problemas na travessia, para meus companheiros de viagem, talvez não fossem tão grandes assim: rotina de trabalho diriam eles. Do meu lado, com o piloto automático da sobrevivência ligado, as únicas coisas que pensava eram: o que Eu estou fazendo aqui? Eu não preciso de nada disso! O antigo Eu talvez estivesse certo, mas o novo Eu queria mais: colocar à prova todas as minhas forças, minha coragem e minha determinação.

Força, Coragem, Determinação: um mantra e uma tatuagem para o antigo Eu. Forjados no calor da ação, esses valores transformaram-se em genuínas experiências que fortalecem as minhas convicções que fundamentam os projetos de vida no novo Eu. Minha grande vitória nessa jornada foi vencer a mim mesmo. Então, medos e temores façam fila!!! O novo Eu é um Super-Homem! Sua kryptonita continua sendo as águas profundas – o inimigo, o Golias, está em mim, latente – mas, agora, com uma única e grande diferença:

- Eu sei que posso vencê-lo!!!


[Sousa, Vital. Empreendimento Sem Fim. Recife, 2015]

Os Mais Lidos Da Semana!

Rally M+is - Transnordestina

O Rally
O Rally M+is em sua IV Edição – Rally M+is – Transnordestina – estará focando suas expertises no Varejo Alimentar: origem da proposta de trabalho da integrum Consultoria. Suas atividades estarão focadas no desenvolvimento / ampliação do relacionamento dentro da Cadeia de Suprimento e Qualificação de Operadores e Varejistas.
O que eu ganho com isso?
De início, a resposta à pergunta que, acreditamos, surgirá no momento inicial de nossa apresentação: do Consumidor à Indústria, os Benefícios Sistêmicos da maior Interação da Cadeia de Suprimento do Varejo Alimentar.
- Consumidores: MELHOR Atendimento, Preço, Qualidade, Variedade e Conforto; - Varejistas: MAIS Qualificação, Vendas, Gestão e Rentabilidade; - Transportadoras: MAIS Embarques, Precisão, Rapidez, Pontualidade e Eficiência; - Distribuidores: MAIS Mix, Giro, Clientes, Rentabilidade e Liquidez; - Indústrias: MAIS Vendas, Previsibilidade e Rentabilidade!
O Roteiro
O Percurso do Rally M+is – Transnordestina é um retorno às origens: queremos…

10 Perguntas Demolidoras (AP-InCo)

Ter uma Excelente ideia não basta. É preciso saber vender o seu peixe, a qualquer momento que seja preciso. Todo Empreendedor tem a obrigação de conhecer o seu Negócio nos mínimos detalhes. Isso é importante para Vender a ideia e para a gestão do negócio. Todo Empreendedor tem a obrigação de responder, e responder certo, estas 10 perguntas sobreo seu Negócio.
A Young Entrepreneur Council fez uma lista com 10 questões que todos os investidores querem saber do dono de um negócio.
Encarar um grupo de investidores é uma tarefa que exige muita preparação do empreendedor. Se ele quiser conquistar aquele aporte ou investimento para sua startup ou empresa, terá de responder com segurança a todas as dúvidas de seus inquisidores.
Não são perguntas fáceis. Qualquer deslize na explicação do negócio ou desconhecimento de algum detalhe da operação pode custar o tão sonhado capital. Para ajudar os empresários nesse momento de tensão, os diretores do Young Entrepreneur Council, uma associação mundial de…

De Volta ao Futuro! (AP II)

O Reveillon é um momento de luzes e cores: o branco da paz; o amarelo da prosperidade; o azul da harmonia; o verde da saúde; o laranja da vitalidade - esta deveria ser  a minha cor favorita; o vermelho da paixão... Um verdadeiro arco-íris de desejos e felicitações para um ano que se inicia, iluminado pelas luzes dos fogos de artifício e ao som do hit do dia: Vai Malandra!
No meio dessas "ondas" uma foto em preto e branco grita aos quatro ventos e aos quatro cantos da world wide web. Através de um post transversal nas redes sociais, alguém publica uma foto do fotógrafo Lucas Landau, que me conecta, imediatamente, com os versos de um hai kai...
"Pinto meu rosto Para me ver exposto, Sonhar em cores."
... Que, para mim, traduzem o "grito" do menino à beira mar com os olhos refletindo os fogos de artifício. Meu primeiro ímpeto é perguntar, como se ele me escutasse, "Você tem fome de que?"; "Você tem sede de que?" Porque você dá as costas à todas…