Pular para o conteúdo principal

Fí-lo porque quí-lo!


Conta a lenda que o ex-presidente Jânio Quadros quando perguntado porquê teria feito “qualquer coisa”, prontamente respondia:

- Fí-lo porque quí-lo!

Lendas à parte, esta resposta bem poderia ser atribuída a milhões de empreendedores mundo afora, para justificar a abertura de um negócio próprio, sem, aparentemente, qualquer estudo de viabilidade do empreendimento. Estas condições têm se repetido entre as dezenas de novos entrantes nos mais diversos segmentos do varejo, com os quais tive oportunidade de conversar sobre seus negócios; a motivação para empreender; as condições e recursos disponíveis; o formação e desenvolvimento de conhecimento sobre o negócio e, finalmente, o que eles pretendiam, suas visões de futuro. Em grande número a resposta é aplicável:

- Fí-lo porque quí-lo!

Recentemente conheci D. Tita que, juntamente com D. Jaciara, empreenderam no segmento de Fast Food com uma “Banca de Lanches” em uma movimentada avenida de uma cidade do interior, que se caracteriza por ser o centro de uma microrregião, para onde convergem pessoas / consumidores de dezenas de cidades do entorno, ficando a referida Banca de Lanches, ainda sem nome, em frente a uma movimentada Clínica Cardiológica. Na Banca é possível degustar uma grande variedade de Lanches Rápidos e Bebidas, bem como uma variada Bombonière e o cliente pode servir-se em uma das mesas instaladas em frente à Banca. Tudo bem cuidado, arrumado e decorado com pés de pimenta, talvez, para afastar o mau-olhado da concorrência que já deve estar de olho-grande no Ponto. Nesta breve descrição do negócio, identificamos fortes elementos para, preliminarmente, estabelecer uma Situação Favorável na Análise Estratégica do Ambiente Organizacional.

Numa rápida conversa com D. Tita descobri que elas empreenderam “com a cara e a coragem”:
- Não fizeram Pesquisa de Mercado ou analisaram a Viabilidade do Negócio;
- Não fizeram nenhum Curso preparatório ou de qualificação voltados aos produtos; ao atendimento ou a gestão do negócio;
- Não procuraram informações em nenhuma entidade ou organização de fomento ao empreendedorismo.
Empreenderam para complementar a renda oriunda de um benefício social – D. Tita é portadora de necessidades especiais – e para “não ficarem paradas”, conforme asseverou D. Tita, com a intenção de verem o desenvolvimento do negócio para uma lanchonete maior e quem sabe, no futuro, uma cadeia de Fast Food. Afinal, se é para sonhar, vamos sonhar grande e partir para a construção dos alicerces desses sonhos, como o fazem essas empreendedoras. A resposta mais uma vez é cabível:

- Fí-lo porque quí-lo!

Não fui longe na conversa com D. Tita, deixei para uma segunda oportunidade após a publicação deste artigo, para podermos conversarmos mais amiúde sobre este empreendimento, mas posso garantir que estas empreendedoras se encaixam plenamente na Dinâmica do C.H.A. que tem como centro dos pressupostos para o sucesso as Ações Afirmativas, a Atitude, a Ação:

- Fí-lo porque quí-lo!

Talvez todo Conhecimento das empreendedoras seja empírico – elas tiveram a ideia, acreditaram no negócio e partiram para a ação; talvez as Habilidades de ambas estejam sendo forjada no calor dos acontecimentos. O que não tenho dúvidas é sobre o alto grau de Atitude das duas empreendedoras, mesmo tendo conversado, apenas, com uma delas. Acredito que elas como muitos outros com quem já conversei, em situações semelhantes, estão acima do ponto central do campo das possibilidades de combinações entre C, H e A: Conhecimento, Habilidades e Ações Afirmativas, respectivamente. Com Ações Afirmativas busca-se o autoconhecimento a partir de uma honesta investigação e constatação de si mesmo tal qual é a realidade; com as Ações Afirmativas busca-se o Conhecimento através da experiência e desenvolve-se as Habilidades no fazimento contínuo das atividades que atendem as necessidades de manutenção do negócio.


Estes são empreendedores que, de alguma forma, abstraíram que “se eu quero e acredito que posso, eu posso e faço”. Assim, a partir do momento que o empreendedor entende que desistir não é o caminho mais seguro para manter-se seguro, ele coloca em prática o ciclo de formação das Ações Afirmativas. A partir de uma autocritica realista, assume para si a responsabilidade dos seus atos, deixando de ser refém das desculpas para ser protagonista da sua história.

Enfim temos argumentos para atualizar a resposta presidencial, tornando-a providencial:

- Fí-lo porque quí-lo, porque posso-lo!
  


[Sousa, Vital. Empreendimento Sem Fim. Recife, 2015] 

Os Mais Lidos Da Semana!

FLASH 4.0 - Consultoria Relâmpago

  FLASH 4.0 - Consultoria Relâmpago para deixar a sua Loja pronta para o Novo Normal, com Qualidade, Rentabilidade e Efetividade Operacional. Se você está lendo esta postagem, seguramente compartilhamos da mesma paixão pelo Varejo. Agora, gostaria da sua avaliação para este novo modelo de Consultoria que economiza tempo e dinheiro. Estou falando de uma Auditoria de Qualidade , com o objetivo de Qualificar a(s) sua(s) loja(s) para entregar Excelência no Atendimento à Diversidade de Clientes no Ponto de Vendas . A Auditoria tem 4 Módulos , que, livremente, poderão ser contratados, para atender as suas reais necessidades.   Direto ao ponto, porque tempo é dinheiro, me coloco a sua disposição para esclarecer qualquer dúvida sobre a Proposta, para entregarmos, com segurança, um Serviço de Valor e Qualidade Diferencial , compatível com o caráter e a cultura de nossas Empres O Flash 4.0 é uma Auditoria de Qualidade ; uma “tomografia” do Ponto de Vendas para corrigir defeitos e qual

FALA Varejista! PodCast.Sem56 - "Marketing de Experiência - Parte 3"

Numa Parceria de Fix Tecnologia, Gustavo Sobreira Advogados Associados, Realiza Business e VTL Marketing e com o Apoio de Casa Primor, JAZAM Alimentos e Rações VittaMax , iniciamos mais uma Transmissão do... FALA Varejista! PodCast Transmissão 56 – “Marketing de Experiência – Parte 3” FALA Varejista! “Existe Marketing de tudo e para tudo porque, como sempre repetimos, tudo é Marketing e Marketing é tudo: simples assim.” Dando continuidade à Série de 5 Semanas falando sobre Marketing de Experiência , nesta terceira transmissão falaremos sobre os 5 Tipos de Experiência . Vamos destacar as características de cada Experiência e contextualizar com um exemplo prático no Ponto de Vendas, para maior clareza da situação. 1. Sentidos Experiências proporcionadas através dos 5 Sentidos , o chamado Marketing Sensorial , são utilizadas desde os primórdios do Varejo. A Experimentação é uma poderosa estratégia de Marketing e Vendas. No Ponto de Vendas, cheirinho de pão fresquinho ou de um cafezi

Rally M+is - Transamazônica

"Falar é fácil, quero ver fazer!" Partindo de Cabedelo (PB) Quantas vezes você já ouviu esta frase, todas as vezes que você teve uma ideia inovadora; todas as vezes que você pensou em fazer algo, realmente, inovador, diferente? Quantas vezes diante, da descrença das pessoas, você vacilou e desistiu? Nós não desistimos! Amadurecemos nossa ideia até o ponto de ser colhida, até o ponto ideal para ser colocada em prática, até a hora de Agir! Nossa ideia pode até parecer uma completa loucura, uma insensatez, mas foi pensada e planejada nos seus mínimos detalhes: detalhes Bons e Ruins, Ações e Reações, Atitudes e Consequências, Forças e Fraquezas, Oportunidades e Ameaças, o Que, Onde, Porque, Quem, Como, Quando, Quanto... Planejamento concluído e exaustivamente testado e aprovado chegou a hora da Ação! Sem esquecer que a vida do Empreendedor é (ou, necessariamente, deveria ser) um eterno looping de PDCA: Planejar, Desenvolver, Controlar, Ajustar, Planejar...