Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2015

Lidere pelo Exemplo!

“ Lidere pelo Exemplo. Verdadeiros Líderes, sabem que podem fazer melhor, a começar por seu próprio desempenho”. Se você pretende oferecer Excelência no Atendimento, prepare-se para liderar; se você quer resultados consistentes e sustentáveis, prepare-se para trabalhar com pessoas de alto desempenho; se você quer uma Equipe de alto rendimento, prepare-se para lidar com a energia de pessoas inquietas e para ser muito exigido. Este é o Desafio, para quem pretende oferecer Excelência no Atendimento - um  processo contínuo que precisa ser diariamente revisado e ajustado, um  aprendizado, um hábito, uma cultura organizacional que essencialmente demanda liderança – focado em três pontos: Conhecer, Despertar e Ativar: 1 - Conhecer a equipe e promover o autoconhecimento de cada "elo da corrente" é, essencialmente, o primeiro passo para se estabelecer um objetivo bem definido. Uma meta que as pessoas considerem como uma missão grandiosa. Equipes de alto rendimento ado

Informação é Poder!

“Informação é Poder. Do início ao “fim”, uma série de informações serão determinantes para a sustentabilidade do negócio”.  Qualquer que seja o empreendimento, algumas perguntas deverão ser respondidas antes do atendimento do primeiro cliente. A própria definição de quem é o cliente, e suas necessidades, é uma informação que terá que ser determinada no início do negócio. O empreendedor se debruçará sobre os levantamentos de informações – sejam de que tipo for – que o levaram a empreender. Tipo de negócio, Localização, Clientes, Necessidades a serem atendidas, Mix de Produtos, Estrutura do Ponto de Vendas, Concorrência, são algumas informações que deverão ser levantadas e estudadas. Num mundo cada vez mais conectado em Redes, é imprescindível que o empreendedor tenha uma atenção especial no levantamento de informações sobre o seu negócio. A velocidade com que ocorrem mudanças nos fatores decisivos para a sua manutenção e sucesso; a necessidade de criar estratégias

Tempo é o bem mais precioso!

“Tempo é o bem mais precioso do seu Cliente. Não o faça esperar”. Uma das soluções para o mau atendimento é: preste atenção no que o seu cliente diz e faz... Dentro e fora do seu ponto de vendas! Para nós isso se chama Gestão de Clientes, mas se quiserem usar um termo americanizado, chamem de CRM – Customer Relationship Management.   O Pecado da Demora pode manifestar-se de varias formas; em várias etapas do processo de atendimento e nos serviços adicionais como entrega e montagem. A forma que mais destaca a demora no atendimento é a famigerada fila. Filas são   tão comuns, já fazem parte da nossa cultura e do nosso anedotário, mas num mercado com tantas opções, de concorrência acirrada, o cliente só fica na fila se for “refém” do produto.   Gestão de Clientes, CRM, Customer Relationship Management, Gerenciamento do Relacionamento de Clientes, não importa o nome que você dê a este processo, o que importa na verdade é que faça parte da filosofia da empresa, seja

Pontos Fortes, Pontos Fracos: diga a Verdade!!!

Você está numa Entrevista de Emprego e chega a hora de falar sobre suas Fraquezas, suas Debilidades, Pontos Francos em sua Formação Acadêmica, Trajetória Profissional... E Agora? Como falar de seus pontos fracos numa entrevista de emprego? Recomendo uma única postura nesse momento: fale a verdade!!! Não é uma questão de arrogância. Muitos candidatos acham difícil falar sobre seus pontos fracos numa entrevista de emprego simplesmente porque não têm autoconhecimento suficiente. Na opinião de Claudia Troca, gerente da consultoria Robert Half, ficar em silêncio ou mencionar qualidades disfarçadas de defeitos - como se o único problema fosse ser dedicado demais ao trabalho, por exemplo - não significa que você seja cego às suas próprias limitações. “Se a pessoa hesita ou precisa recorrer a clichês, o que nos mostra é que não sabe muito sobre si mesma”, afirma ela. “Perfeccionista” e “workaholic", aliás, são palavras que a recrutadora mais ouve da boca dos candida

Protesto ou Mea Culpa???

O mar não está para peixe ou como dizia o Presidente Collor: "Quem não tem competência não se estabelece" . Reclamar, simplesmente reclamar, não leva a nada. Ir até as últimas consequência de um empreendimento é uma decisão particular. Viralizando na Net um exemplo claro do que digo. Em um dos locais de maior movimento do comércio, o shopping Porto Geral, O Rei dos Anéis sofreu uma queda de 60% nas vendas desde o início do ano. É fácil observar, em um passeio a pé pelas ruas paulistanas, que cresce dia a dia o número de pontos comerciais que cerraram as portas, até mesmo em regiões onde circulam consumidores com maior poder aquisitivo. Locais normalmente abarrotados de gente, como a região da Rua 25 de Março, no centro da cidade, surpreendem atualmente pela redução do movimento de pedestres. Um lojista decidiu expor sua situação com uma placa na vitrine. Quem circulou na última sexta-feira (20/06) no shopping Porto Geral, localizado na ladeira homônima, p

Varejo Virtual 3-D

A Tecnologia da Informação, definitivamente, tornou-se a nova Dimensão do Varejo Mundial. É inimaginável o varejo sem os recursos tecnológicos aplicados no Atendimento e em CRM. Dentro deste universo, uma nova onda ganha volume: a Realidade Virtual ou Realidade Aumentada. Uma onda que pode transformar a Cultura de Atendimento e interação com os Consumidores. Vamos imaginar um um consumidor na França ligando um aparelho de realidade virtual e se vê transportado para o frenesi de uma rua em Manhattan, entra numa loja de alto padrão para ver candelabros de cristal, uma espreguiçadeira com pele de carneiro e calças de luxo. A realidade virtual, a tecnologia panorâmica com raízes em jogos, está sendo adaptada para consumidores do varejo até o ano que vem, buscando combinar a facilidade do comércio eletrônico com a sensação de compras na vida real. A agência de marketing SapientNitro, controlada pela Publicis, trabalhou com a boutique de luxo The Line para desenvolver uma de

Entrevista: a hora H!

- Fique tranquilo! - Fale a verdade! - Seja proativo! A Entrevista, assim como os testes psicológicos, são tidos como os “bichos papões” do processo de Recrutamento & Seleção e realmente são. Neste processo, nos dois lados da mesa, há uma fase de preparação que não pode e não deve ser delegada à experiência: cada entrevista é um momento único para os dois lados – Entrevistado e Entrevistador. As dicas que encabeçam este artigo servem para os dois lados. Ambos devem estar conscientes que estão iniciando a construção de um relacionamento que poderá ser para toda a vida: de um, de outro ou de ambos. Experiências, boas e más, marcam a vida pessoal e profissional das pessoas. Então, façamos que nossas lembranças sejam boas histórias para contar na nossa aposentadoria. Não psicólogo, escrevo como Gestor de Pessoas que – estando dos dois lados da mesa - já realizou centenas de entrevistas de emprego, para promoção e para desligamento de pessoas. Nenhuma delas foi um

Silas, Respeita O Boticário!

Independente de suas crenças religiosas, algo que não se pode admitir é a falta de respeito. Neste caso específico, o respeito à liberdade de expressão. A propaganda é o elo de ligação entre o produto e o consumidor. Identificar-se com a marca, o produto ou a empresa é opcional, assim como assistir um canal de televisão. Se você não concorda com a mensagem, mude de canal. Respeite os direitos dos outros. A mais nova polêmica a ir parar no CONAR é o comercial de O Boticário do Dia dos Namorados, apresentando "casais" com um convite:  " entregue-se às 7 tentações de Egeo e tenha momentos inesquecíveis". Na linha de raciocínio desta nota, um comercial belíssimo que respeita a liberdade de expressão e a diversidade. retratando o tema com delicadeza e extremo bom gosto, o comercial dignifica a marca e sua proposta de ser um diferencial no relacionamento de casais, independente de gêneros, orientações e preconceitos. Veja o vídeo... No país da miscige

Somos Todos Palhaços!

Hoje tem marmelada? Tem sim Senhor! Hoje tem goiabada? Tem sim Senhor! Hoje tem espetáculo? Tem sim Senhor! E o Palhaço o que é? É ladrão de Mulher? A alegria do Palhaço é ver o Circo pegar fogo? Quem é o Palhaço? As respostas para estas perguntas residem no íntimo de cada expectador, no íntimo de cada palhaço que há em nós. Aos expectadores deixo, apenas, um conselho: não se deixe levar pelas aparências, não se deixe “flutuar”! Para não deixar perguntas flutuando no ar, vou utilizar a resposta de outro palhaço, aliás, um grande palhaço que vive indo e voltando à minha mente com suas loucuras geniais e suas realidades fantásticas, assim como vemos nossa própria realidade, léguas à frente de nossos narizes de palhaço. “O palhaço não sou eu, mas sim esta sociedade monstruosamente  cínica e tão ingenuamente inconsciente que joga o jogo da  seriedade para melhor esconder a loucura.”  [Salvador Dali] Vem, vamos flutuar? Já pensou no tipo de palhaço que está no

Viajando com o Inimigo

“Quando vires um homem bom Tenta imitá-lo; quando vires um homem mau, examina-te a ti mesmo.” [Confúcio] Desde o início do planejamento para o Rally M+is – Transamazônica, a ideia de viajar de carona me pareceu uma solução óbvia para reduzir os custos da viagem, da mesma forma que eram óbvias as implicações e risco “bilateral”. Certamente eu não ia contar com algum aplicativo de caronas ou mesmo uma central de informações ou, ainda, agenciamento das disponibilidades desta modalidade de transporte alternativo. Dar carona é um ato de fé; de crença na bondade do ser humano. É, sem sombra de dúvida, uma entrega de confiança mútua: os riscos estão dos dois lados da boleia. Tenho plena consciência disso pois sempre fui adepto da carona: sempre dei ou peguei carona desde a época de adolescente. Outro fator que sempre tive consciência era do fato de que se de um lado existe a solidariedade, do outro lado existe a desconfiança e a falsa percepção de que todo carona é um marg

Gênesis 3.0

No início era o pensamento: lógico, coerente, concreto. O pensamento se fez palavra, mas a palavra era pouco para traduzir o pensamento. O pensamento era, por si só, plural, sistêmico, lógico, coerente, concreto. Assim, a palavra se fez atitude: criativa, revolucionária, engajada, sustentável, mas a atitude, ainda, era pouco; o pensamento agora era lógico, coerente, concreto, plural, sistêmico, criativo, revolucionário, engajado, sustentável, mas, ainda, era só pensamento. Assim, a atitude se fez ação: traduziu-se em fatos e dados históricos, transformou-se em atividades e processos e finalmente o pensamento tirou o tempo de sua inércia. A cada fração de tempo, milhares de percepções sensoriais – tudo o que vemos e sentimos – tornam-se conscientes, transformando-se em pensamentos e iniciando o processo de formação de nossas emoções e sentimentos acerca dessas percepções, que serão convertidas, em última instância em atitudes, pois naturalmente, tendemos a reagir. Um ciclo único

A Praça é do Povo

Imagem: Blog Voz da Mata Norte A internet simplesmente não perdoa, ou seria o Whatsapp, ou em primeira instancia a “boca do Povo”? Independente do meio de comunicação, nos dias atuais, é impossível para uma agência de publicidade, poder se dar ao luxo de afirmar categoricamente que uma intervenção é “matadora”! Mesmo que tenha utilizado os seus melhores criativos, ter feito a melhor pesquisa, pois o que realmente importa é como as pessoas vão perceber e receber a mensagem. Nem sempre o que imaginamos acontece. Na grande maioria das vezes, o resultado é bem diferente do proposto; a percepção é bem diferente da mensagem.  Muitas vezes, um tremendo fracasso acontece, simplesmente, porque “alguém acreditou que iria dar certo”. Um bom exemplo disso é a “Praça do Frango”. Ou seria o “Relógio do Frango”? A dúvida que antecede a definição do caso é o que seria exatamente a intervenção criada na “Praça do Povo”. É um “Relógio com Publicidade” ou é uma “Publicidade com Relógio”. A

Quixotes

“Triunfam aqueles que sabem quando lutar e quando esperar.” [Sun Tzu] - Devemos escolher nossas lutas, por uma batalha, nos quedarmos vencidos, enquanto reorganizamos nossas forças para uma nova carga? - Sim, sim... Dez mil vezes sim! A única luta da qual não podemos e não devemos fugir, é a luta contra nós mesmos: contra o Golias que há em cada um de nós, escondido atrás das desculpas, dos eufemismos, dos paradigmas, das falsas percepções e convicções. Das armadilhas que construímos para justificar nossa impotência diante dos obstáculos. Nosso “batismo de fogo” sempre será, independente de que momento nas nossas vidas: infância, juventude, maturidade, contra a ignorância do Golias que habita em nós. A exata percepção de quem somos, nossa autocrítica realista, nos dará a exata medida para avaliarmos quem estará ao nosso lado em todas as lutas e permitirá que não sejamos eleitos, apenas, por sabermos manejar uma “funda”. - Sim, devemos escolher as nossas lutas

Selva!!!

Dia 13 – O Dia dos Dias O dia começou cedo: 01:30 já era manhã... O caminhão, um Mercedes Benz L – 1313, que me levaria à Lábrea, chegou de Porto Velho. Conforme combinado com o ajudante, para “pagar” a carona – gentileza gera gentileza - fiz as vezes de chapa no transbordo da mercadoria para o caminhão do Supermercado de Lábrea. Frutas, legumes, laticínios, frios e embutidos: o calor da noite e do esforço era amenizado pela refrigeração dos produtos. Com o adiantado da hora, não era prudente seguir viagem. Mais um sinal da conspiração do Universo: viajar no escuro da madrugada na amazônica é um risco que eu não queria, nem poderia correr. Outra razão: não conseguiríamos atravessar o Rio Mucuí sem a luz do dia: lá a energia é proveniente de um gerador que é desligado às 22:00. Além disso, ainda havia mercadorias para carregar no caminhão quando o dia clareasse e pessoas “normais” iniciassem o seu trabalho. Às quatro horas da manhã eu já estava de pé. Arrumado para partir.