Pular para o conteúdo principal

Bodega High Tech


Longe se vai os dias de inauguração (1.916) da primeira loja de Auto-Serviço no mundo: a Piggly Wiggly. Mais "recentemente" (1.930) os dias do primeiro Supermercado: o King Kullen. Depois vieram os Hard Discount (Aldi), os Category Killers (Toys ‘U’ Us, Leroy Merlin), os Hipermercados (Carrefour), e finalmente os Warehouse Clubs (Sams Club, Costco).

Paralelo a esta evolução no formato do varejo, vivenciamos a Evolução do Marketing 1.0: mercado centrado no Produto, onde prevalecia a máxima de Ford: “Um carro pode ter qualquer cor, desde que seja preto.” - passando pelo Marketing 2.0: voltado para o Consumidor – para o Marketing 3.0: voltado para os Valores, cujo objetivo é fazer do mundo um lugar melhor, considerando um mercado de seres humanos com coração, mente e espírito, com uma proposição de valor funcional, emocional e espiritual e, finalmente, pelo menos até o próximo Big Show, chegando, finalmente, ao Marketing 4.0, a era da Transformação Digital, onde tudo faz parte o Big Data Digital.

A força propulsora deste novo Marketing, sem sombra de dúvida, é a tecnologia, com a mobilidade na berlinda, promovendo a evolução das interações com os consumidores de uma "transação um-para-um" para uma "colaboração de um-para-muitos", onde as Redes Sociais desempenham um importante papel na pulverização de expectativas e sensações envolvendo Marcas e Produtos. Experimente desagradar um Cliente e rapidamente verá sua Marca / Produto em virais, posts, tweets... Efeito nada agradável e nada fácil de contornar, com danos, muitas vezes irreparáveis, à imagem da Marca / Produto.

Neste cenário, o Atendimento ao Cliente no Ponto de Venda se reveste de uma importância estratégica para as Empresas que querem garantir sua viabilidade e sustentabilidade econômica, dentro dos novos padrões aceitáveis de produção e consumo responsáveis. As novas tendências do varejo, apresentadas, anualmente, nos Big Shows da NRF, apontam para a utilização da nova Onda da Tecnologia para oferecer aos Clientes uma Experiência Sensorial sem igual no ato da compra. Neste aspecto a Disney Store se destaca quando declara em sua Visão: “ser os 30 melhores minutos do dia de uma criança.” E basta entrar em uma dessas lojas para comprovar sensorialmente esta Visão.

Essa busca em atender bem, pelo Sensorial do Cliente, nos remete aos primórdios do Varejo quando cada item da lista de compras podia ser experimentado, discutido, analisado, considerando suas características, vantagens e benefícios, bem como a sua aplicação em diversas preparações (se ingrediente) ou uso em diversas situações (se produto final). Com estas considerações, entramos no túnel do tempo e estamos numa Mercearia, Bodega, Rancho ou Armazém onde um Atendente – geralmente o Dono do negócio – nos atende, um de cada vez, para as negociações envolvendo cada item de nossa cesta de compras.

Agora estamos na era do Auto-Serviço, da Alta Tecnologia e da Mobilidade e o Varejo Omnicanal se propõe a oferecer Experiências Sensoriais na compra de produtos e serviços. Pressionando a tecla "Enter" nos transportamos para uma "Bodega High Tech" onde a curva do tempo é desfeita e misturamos o Atendimento Personalizado com o pagamento das compras com o Celular num Auto Check Out.

Este é o grande desafio do Varejo neste e no próximo século: converter a fria tecnologia em ferramenta para oferecer um Atendimento Customizado, um Relacionamento 01 para 01, com os Clientes, dando a exata sensação de que são os únicos a serem atendidos naquele momento no ponto de vendas, físico, móvel ou virtual, confirmando a máxima de que ele ainda é o Rei, o Centro do Universo, Razão de Ser do Varejo.

Então... Atenção senhores Bodegueiros – no sentido clássico da palavra - de todos os tempos... É chegada a hora de retornar às origens do Atendimento, levando na bagagem uma parafernália tecnológica capaz de colocar cheiro em slide show de produtos. Capaz de fazer sentir, no provador, o vento no rosto de uma praia distante aonde se quer ir. Capaz de transformar, virtualmente, um Sonho em Realidade palpável.


Vital Sousa
Consultor de Negócios
VTL Marketing & Gestão

Comentários

Os Mais Lidos Da Semana!

Gerente de Aluguel - GPS 4.0

Para começo de conversa, isso não é "papo de Consultor", mas de quem tem 30 anos de vivência no "chão de Loja" , atuando em toda Cadeia de Suprimento e tem experiência e competência para dizer que SIM! Você está jogando dinheiro no lixo!!! Nos últimos 6 meses, avaliamos a Operação de mais de 200 Lojas e podemos afirmar, seguramente, que temos a Solução para os três principais problemas do Varejo: 1. Falta de Controle de Estoque; 2. Falta de Gestão Financeira; 3. Baixa Utilização da TI e da Cultura de Dados... Veja como... Com a alta competitividade do Mercado, as Empresas, de todos os tamanhos e segmentos , procuram qualificar suas Equipes para promover a criatividade e a inovação, com ideias “fora da caixa” , potencializar a Gestão e melhorar os Resultados.  Pensando, também na necessária redução de custos, algumas Empresas apostam em soluções inovadoras; entre elas a do “Gerente de Aluguel” , com o objetivo de dar uma "mãozinha" aos Empreendedores, Ges

A Estratégia dos Quatro Fatores

Todo ano é a mesma "estória": o ano só começa depois do Carnaval. Para mim isso é "papo de jacaré"; conversa fiada de preguiçoso, indeciso, que não sabe ou não tem o que fazer. Assim, aceita-se o pressuposto de que depois das folias de Momo tudo será exequível. Pelo menos não se desistirá antes de tentar cada alternativa. O Sucesso virá mesmo com muitos riscos e metas “impossíveis”; haverá algumas inovações e muitos, muitos improvisos. Será mais um ano daqueles que quanto pior ficar, melhor será. Ou será o contrário? Toda essa conversa de dificuldades e crises serve para lembrar um lugar comum: a palavra “crise” é composta por dois ideogramas (letras) que significam perigo e oportunidade. Então, vamos ser criativos, tirar o “s” da crise, mergulhar no escuro e transformar nossa coragem, criatividade e determinação em estratégias inovadoras para vencer a crise... Crise, que crise? A "marolinha" de 2008, finalmente, transformou-se numa tsunami "inter