Pular para o conteúdo principal

Crônica de um "Clienticídio" Anunciado


Sábado à tarde, passeando com minha esposa, quando começa a se apoderar dos meus pensamentos uma vontade louca de tomar café - mais precisamente uma “Média com Pão e Manteiga”: costume adquirido em minhas andanças pelo Reino dos Bandeirantes. Rapidamente ligo meu GPS natural para lembrar onde posso satisfazer esse desejo. Lembro uma cafeteria com nome bem sugestivo, que manterei em sigilo por motivos óbvios, que me remete aos sonhos... Sonhos de uma Média “que não seja requentada”!

Façamos uma pausa para explicar minha posição na cadeia alimentar: sou declaradamente viciado em café; consumidor assíduo dessa bebida e consultor de varejo. Atendimento, entre outras, é uma de minhas atividades mais frequentes na área de Desenvolvimento Humano. Por todos esses requisitos, me considero um “chato de galocha”.

Naturalmente, um crítico exigente, tão crítico e exigente quanto o Anto Ego (Ratatouille), porque mereço e exijo um atendimento adequado, afinal sou o cliente, afinal pago os salários de todos, em todos os estabelecimentos sejam públicos ou privados. Em minha defesa, declaro que costumo, disfarçadamente, orientar os atendentes para que prestem um atendimento minimamente aceitável.

Agora vamos ao “causo”: um “causo” de péssimo atendimento, um verdadeiro “clienticídio”...

Chegamos à dita cuja cafeteria, e iniciamos a busca por uma mesa desocupada, quando encontramos, ainda estava suja com os restos do lanche de outro cliente. Fincamos os pés próximos da mesa para “guardar o lugar” e esperamos um pouco para ver se aparecia algum atendente para limpar a mesa e nos recepcionar... ... ... 5 minutos... ... ... 10 minutos!!! Nada aconteceu!!! Diante da inércia dos atendentes que nos olhavam como se fossemos ET’s, tomei a iniciativa de transferir os restos mortais do lanche anterior para outra mesa que havia desocupado. Neste momento aparece uma garçonete que para concluir o meu serviço, pega a toalha da mesa por duas das pontas e balança no ar para jogar o restante das sujidades... ... ... “na chon”!!!

Neste momento anunciava-se o desastre. A atitude da garçonete lembrou o conhecido truque da Toalha de Mesa, que é mais engraçado quando dá errado. Neste momento a atitude aconselhável seria dar meia volta e procurar outro estabelecimento, mas... “virgem santa, que a vontade era tanta, que vontade que eu tinha”. E assim nos colocamos à disposição do nosso destino.

Descrever passo-a-passo este atendimento seria uma tortura, então, vamos, apenas, descrever como os produtos foram servidos e o caro leitor irá imaginar a forma como foram servidos.
- Pela primeira vez na vida vi uma garrafa de água mineral com a validade vencida;
- O café “expresso”, mais pela rapidez, com que foi tirado, do que pela tradução do italiano “espresso”, estava fraco, morno e ressaltava o gosto do leite em pó;
- O pãozinho foi tão achatado na chapa que mais parecia à pele de algum animal;
- No açucareiro tinha um festival de moscas...

As caras de poucos amigos dos atendentes não me deixaram esboçar qualquer reclamação. Sinceramente temi receber alguma reclamação por ter aparecido no local para atrapalhar o “descanso” deles. Finalmente a ficha caiu: eu estava no lugar errado e na hora errada.

Não tomei a minha média, o desejo passou, paguei a conta, recebi o troco errado, mas sobrevivi como consumidor para outra experiência. Naquele momento a cafeteria perdeu um cliente, na verdade cometeu um “clienticídio”!

Mais esperta foi minha esposa que preferiu tomar um suco em outra lanchonete!


Vital Sousa
Consultor de Negócios
VTL Marketing

Comentários

Os Mais Lidos Da Semana!

Gerente de Aluguel - GPS 4.0

Para começo de conversa, isso não é "papo de Consultor", mas de quem tem 30 anos de vivência no "chão de Loja" , atuando em toda Cadeia de Suprimento e tem experiência e competência para dizer que SIM! Você está jogando dinheiro no lixo!!! Nos últimos 6 meses, avaliamos a Operação de mais de 200 Lojas e podemos afirmar, seguramente, que temos a Solução para os três principais problemas do Varejo: 1. Falta de Controle de Estoque; 2. Falta de Gestão Financeira; 3. Baixa Utilização da TI e da Cultura de Dados... Veja como... Com a alta competitividade do Mercado, as Empresas, de todos os tamanhos e segmentos , procuram qualificar suas Equipes para promover a criatividade e a inovação, com ideias “fora da caixa” , potencializar a Gestão e melhorar os Resultados.  Pensando, também na necessária redução de custos, algumas Empresas apostam em soluções inovadoras; entre elas a do “Gerente de Aluguel” , com o objetivo de dar uma "mãozinha" aos Empreendedores, Ges

Bodega High Tech

Longe se vai os dias de inauguração (1.916) da primeira loja de Auto-Serviço no mundo: a Piggly Wiggly. Mais "recentemente" (1.930) os dias do primeiro Supermercado: o King Kullen. Depois vieram os Hard Discount (Aldi), os Category Killers (Toys ‘U’ Us, Leroy Merlin), os Hipermercados (Carrefour), e finalmente os Warehouse Clubs (Sams Club, Costco). Paralelo a esta evolução no formato do varejo, vivenciamos a Evolução do Marketing 1.0: mercado centrado no Produto, onde prevalecia a máxima de Ford: “Um carro pode ter qualquer cor, desde que seja preto.” - passando pelo Marketing 2.0: voltado para o Consumidor – para o Marketing 3.0: voltado para os Valores, cujo objetivo é fazer do mundo um lugar melhor, considerando um mercado de seres humanos com coração, mente e espírito, com uma proposição de valor funcional, emocional e espiritual e, finalmente, pelo menos até o próximo Big Show, chegando, finalmente, ao Marketing 4.0, a era da Transformação Digital, onde tudo faz par

A Estratégia dos Quatro Fatores

Todo ano é a mesma "estória": o ano só começa depois do Carnaval. Para mim isso é "papo de jacaré"; conversa fiada de preguiçoso, indeciso, que não sabe ou não tem o que fazer. Assim, aceita-se o pressuposto de que depois das folias de Momo tudo será exequível. Pelo menos não se desistirá antes de tentar cada alternativa. O Sucesso virá mesmo com muitos riscos e metas “impossíveis”; haverá algumas inovações e muitos, muitos improvisos. Será mais um ano daqueles que quanto pior ficar, melhor será. Ou será o contrário? Toda essa conversa de dificuldades e crises serve para lembrar um lugar comum: a palavra “crise” é composta por dois ideogramas (letras) que significam perigo e oportunidade. Então, vamos ser criativos, tirar o “s” da crise, mergulhar no escuro e transformar nossa coragem, criatividade e determinação em estratégias inovadoras para vencer a crise... Crise, que crise? A "marolinha" de 2008, finalmente, transformou-se numa tsunami "inter