Pular para o conteúdo principal

O Custo do Lápis


Quando se fala em ética, um de seus maiores antônimos é a Lei de Gerson: “Levar vantagem em tudo. Certo?” Na outra ponta temos o que considero como melhor definição de ser ético: “Não faça aos outros, o que não quer que seja feito a você”. Ser ético é respeitar os limites; saber onde termina os seus direitos e começam os direitos dos outros.

Esta abertura poderia ser encarada como um conselho. Assim, lembremos a máxima sobre esta situação: “Se conselho fosse bom não se dava, se vendia”. Mas não pretendo dar conselhos. Quero discutir o real valor de um conselho, tanto para quem pede, como para quem o oferece. Meu principal objetivo nesta discussão é fundamentar minha argumentação sobre a venda de conselhos, visto que minha atividade profissional é Consultoria.

Sim, Consultores vendem conselhos; mas em qualquer atividade econômica, principalmente na prestação de serviços, sempre há quem queira levar vantagem; sempre há quem queira argumentar que algumas palavras não poderiam ter custo, tomando como base de avaliação o fato de que, na atividade de Consultoria, não vendemos “algo físico”, um “objeto” que o Cliente leva para casa: vendemos conhecimento; vendemos a transferência de conhecimento. Simplificando a argumentação, ao invés de vendermos o peixe, ensinamos a pescá-lo.

É neste ponto que nossa discussão converge para a ética. Muitas vezes, as análises de custo dos conselhos, deixam o campo da desinformação (inconsciente) e invadem o campo da esperteza (intencional). Estou falando dos pseudoclientes: “amigos”, “colegas” e “parceiros” que insistem em inventar historinhas muito bem elaboradas e recitadas com indisfarçada cara de pau para conseguirem conselhos gratuitos ou obterem dicas de processos, estratégias e informações de mercado referente aos seus negócios.

Esta atitude poderia ser classificada por inúmeros adjetivos, mas, para manter o bom tom da discussão, vou classificá-la, simplesmente, como antiética e desrespeitosa.

Amar a profissão não significa trabalhar de graça. Trabalho pressupõe uma relação financeira entre o tomador e o prestador dos serviços. No jargão corporativo: “não existe almoço grátis”.

Mas atire a primeira pedra quem nunca acabou trabalhando de graça por confiar em quem não deveria? Oportunistas, travestidos de Clientes, atrás de consultoria gratuita são muitos e representam o que há de pior no mundo corporativo. Essa atitude, antiética e desrespeitosa, me causa um tremendo sentimento de repulsa: recuso, terminantemente, quaisquer possibilidades de trabalho com esse tipo de “Clientes”, que são facilmente identificados, pois fogem de um contrato como o diabo foge de uma cruz.

Alguém, por um acaso, entra num ponto de vendas, enche as sacolas com produtos e sai sem pagar? Há alguma possibilidade de pagarmos nossas contas com sorrisos, abraços e tapinhas nas costas? Não. Absolutamente, não!

Esta analogia pode ser simples, mas é a síntese da situação. Da mesma forma, Consultores não estão disponíveis para bate-papos informais, recheados de valiosas dicas de Marketing, Estratégias e Soluções para quaisquer negócios. Transferência de conhecimento deve ser respeitada e pactuada, nos mínimos detalhes, antes de acontecer.

Agora sim, estou no ponto em que posso dar conselhos, mas antes vamos analisar a etimologia da palavra respeito. Respeito vem do latim ‘respectus’, particípio passado de ‘respicere’: “olhar outra vez”. Neste sentido, aconselho:

1 – que Empreendedores, Gestores e afins dediquem algum tempo para “olhar outra vez” e rever suas relações com os Consultores com os quais pretendem trabalhar. Isso, trabalhar, não “trocar ideias”; “bater papo” ou ter uma “conversa amistosa”;

2 – que Colegas de profissão dediquem algumas horas do seu tempo para uma reflexão e uma autoavaliação e “olhem outra vez” para suas propostas de trabalho: valorizem a si mesmos e não caiam na tentação do oportunismo da concorrência desleal.

As situações, onde estas atitudes antiéticas e desrespeitosas são largamente praticadas, são inúmeras e quem chegou até este ponto da discussão, seja Consultor ou não, mentalmente já relacionou inúmeros casos que se encaixam como uma luva no que estou colocando.

Para não cair na armadilha da “Consultoria Grátis” e acabar de vez com as desculpas de, apenas, um “bate-papo”, desenvolvi uma argumentação que, até o momento, revelou-se infalível: ao invés de vender Conselhos eu vendo Lápis.

Assim, quando um Cliente pergunta o que estará levando para casa, independente do Custo deste “objeto”, avaliado, criteriosamente, de acordo com as reais necessidades de cada Cliente e o tempo de trabalho que será demandado, eu respondo:

- Um Lápis e algumas folhas de papel onde estarão redigidos todos os conselhos que serão oferecidos gratuitamente!


Vital Sousa
integrum Consultoria

Os Mais Lidos Da Semana!

Bodega High Tech - 01 para 01

Longe se vai os dias de inauguração (1.916) da primeira loja de Auto-Serviço no mundo: a Piggly Wiggly. Mais "recentemente" (1.930) os dias do primeiro Supermercado: o King Kullen. Depois vieram os Hard Discount (Aldi), os Category Killers (Toys ‘U’ Us, Leroy Merlin), os Hipermercados (Carrefour), e finalmente os Warehouse Clubs (Sams Club, Costco).
Paralelo a esta evolução no formato do varejo, vivenciamos a Evolução do Marketing 1.0: mercado centrado no Produto, onde prevalecia a máxima de Ford: “Um carro pode ter qualquer cor, desde que seja preto.” - passando pelo Marketing 2.0: voltado para o Consumidor – para o Marketing 3.0: voltado para os Valores, cujo objetivo é fazer do mundo um lugar melhor, considerando um mercado de seres humanos com coração, mente e espírito, com uma proposição de valor funcional, emocional e espiritual e, finalmente, pelo menos até o próximo Big Show, chegando, finalmente, ao Marketing 4.0, a era da Transformação Digital, onde tudo faz parte o…

FALA Varejista! PodCast.Sem32 - "Orçamento Base Zero"

FALA Varejista! 

“O que você gasta, efetivamente, não é o seu dinheiro, mas o seu tempo de vida; faça valer a pena cada centavo; cada segundo.” 

Já que estamos falando de “vida”, nesta transmissão, vamos inverter a lógica de dois processos na Gestão Financeira da Empresas: Custos por Investimentos e Orçamento de Custos por Orçamento Base Zero
Cada centavo utilizado para garantir o pleno funcionamento de uma Empresa, deve ser considerado, não como custo, despesas, mas como investimento com origem, aplicação e resultados determinados; se um recurso, inclusive pessoas, não gera resultados, ele deve ser desconsiderado dos planos da Empresa... Com isso podemos ampliar os resultados e a qualidade de vida dos Empreendedores e seus Colaboradores. 
Neste sentido, invertemos a lógica: deixamos de ter um Orçamento de Custos e passamos a utilizar o Orçamento Base Zero, isto é: cada dia é como se fosse o primeiro dia da Empresa e a principal função do Gestor é fazê-la funcionar com o menor investime…

PROCURA-SE: Consultor de Varejo

CONSULTOR DE VAREJO (CNPJ / MEI)
Graduação em Administração e/ou Marketing com desejável Especialização em Finanças e Controladoria e/ou Gestão de Pessoas; COM ou SEM Experiência em Operação de Loja, mas com necessária experiência como Facilitador de Treinamentos Operacionais e Gerenciais.
O Profissional deverá compor o Quadro de Consultores da VTL Marketing, sendo co-responsável pelo desenvolvimento dos Treinamentos e Cosultorias na sua área de atuação. 
Oferecemos Excelente Ambiente de Trabalho + Honorários + Comissões + Participação nos Lucros.
Perfil mpreendedor; Fã / Praticante de Esportes Radicais; Espírito de Aventura e Disponibilidade para viagens de média duração no Norte / Nordeste são diferenciais que completam o Perfil dos Profissionais que buscamos.
Interessados deverão enviar Currículo para vtlmarketing4.0@gmail.com e destacar no assunto a área de atuação: CONSULTOR DE VAREJO.
Maiores informações com:
Vital Sousa integrum Consultoria +81 9 9459.6347 / 9 9201.1281