Pular para o conteúdo principal

"Pessoas que pensam em pessoas"


As executivas Chieko Aoki (Hotéis Blue Tree) e Luiza Trajano (Magazine Luiza) dispensam qualquer apresentação e seus nomes são facilmente ligados a excelência na Gestão de suas Empresas. Recentemente, num programa de TV, me chamou a atenção uma conversa, entre essas executivas, sobre Seleção de Pessoas. Uma frase da Sra. Aoki sintetizou esse desgastante processo para as Empresas:

- "Devemos selecionar pessoas que pensam em pessoas”.

A frase, à primeira vista, parece algo óbvio, mas destaca o, ainda existente, abismo entre o conceitual e a prática na Gestão de Recursos Humanos ou Gestão de Pessoas. Vamos destacar o óbvio ululante para colocar o que temos, conceitualmente, em termos de Recrutamento e Seleção nas organizações.

São processos que fazem parte da rotina dos Gestores de “Recursos Humanos”, “Pessoas”, “Capital Humano”, para o preenchimento de vagas em aberto no quadro de pessoal para manter a produção em níveis planejados. A pluralidade de denominações desses Gestores, já dá uma ideia do imbróglio que temos nas organizações, quando falamos de Recrutamento e Seleção.

Esses processos são desenvolvidos de acordo com a estratégia de negócios da organização e estão focados na captação de pessoas que possam acrescentar valor para o diferencial de qualidade de cada empreendimento, de acordo com conceitos subjetivos e amplos.
Cada organização tem, ou deveria ter, muito bem definido:
- o espaço de trabalho da pessoa a ser captada e as necessidades de conhecimentos, competências, habilidades e experiências requeridas;
- o perfil comportamental, desenhado com base no contexto político, social e cultural em que a pessoa irá atuar;
- as condições do ambiente e os recursos a sua disposição para realizar o trabalho.

Na estruturação do processo, em cada organização, é onde começa a dissociação entre conceito e realidade, pois as pessoas são contratadas pelas suas capacidades de produção – para atender a constante pressão por resultados – e são promovidas e despedidas pelos seus perfis comportamentais.

Os processos de recrutamento e seleção de pessoas, mesmo quando são estruturados seguindo-se requisitos criteriosos e sérios, agregando, na maioria das vezes, vantagens para os diversos contextos da organização, sofrem limitações no momento de serem colocados em prática. Seja em função de indisponibilidade de recursos, questões culturais ou, sobretudo, a má condução dos processos, que evidenciam de forma direta, a distância existente entre o conceito e a prática, resultando em abismos que muitas vezes não conseguem ser ultrapassados no decorrer do relacionamento entre Empregados e Empresas.

Toda empresa vive de resultados. Lucro não é algo condenável, lucro é essencial para a sobrevivência de qualquer organização empresarial. É indiscutível que são as pessoas que devem ter as ações com foco nos resultados. Neste sentido, existe a necessidade de alguém para conduzi-las para este fim. Quem deve conduzir as pessoas de modo a fazer com que as metas sejam atingidas é a gestão humana, como área corporativa, e os gestores das áreas funcionais, como Marketing, Vendas, Suprimento, Produção, Financeiro, etc. 

Os processos de Recrutamento e Seleção são considerados pelos empresários e executivos, como um evento empresarial estratégico e vital para a permanência das atividades. Estratégico e vital: esta é a visão que deve ser incorporada no cerne da estruturação destes processos para se atingir a excelência na captação de “pessoas que pensam em pessoas”.

Apenas a seleção por competências – focadas em resultados - não é mais aceitável nos atuais padrões de competitividade e excelência no atendimento que se pretende para um mercado globalizado de plena e ampla concorrência.

A experiência tem demonstrado que para preencher uma vaga, os gestores devem considerar os processos de Recrutamento e Seleção como algo que se aproxima, por definição, a um casamento, em que duas partes firmam um compromisso após, namorarem, noivarem e se conhecerem bem, do que, propriamente, uma escolha unilateral por parte da Empresa ou do Empregado.

Os processos de Recrutamento e Seleção são o momento em que as partes conhecem, aceitam e introjetam Missão e Visão Pessoal e Empresarial e seus respectivos desdobramentos em estratégias e políticas de negócios, ressaltando a adequação das pessoas nas três etapas essenciais na Gestão de Pessoas:

Motivação: suprir necessidades, dar uma visão de futuro;
- definir o espaço de trabalho das pessoas, onde elas desenvolverão seus conhecimentos, competências, habilidades e experiências adquiridas;

Ativação: definir funções, capacitar, delegar;
- desenvolver as condições do ambiente e os recursos a sua disposição para realizar o trabalho.

Integração: desenvolver times, identificar líderes;
- desenvolver o perfil comportamental, desenhado com base no contexto da Missão, Visão e Estratégias de negócios da organização;

Finalizando, vale ressaltar que os processos de Recrutamento e Seleção de “pessoas que pensam em pessoas” são estratégicos e possuem metodologia própria e não podem, e nem devem, ser encarados como eventos pontuais, subjetivos e sem importância, sujeito à pena de colocar em risco a sobrevivência da organização.


Vital Sousa
integrum Consultoria

Os Mais Lidos Da Semana!

GUIA ACESSÍVEL - Supermercados - Hiper Moinho Oliveira

SOU Varejista desde os meus 8 anos de idade e nunca me canso de valorizar as Melhores Práticas neste segmento. Aliás, o GUIA ACESSÍVEL - Comércio & Turismo tem este objetivo, ampliado para incorporar a causa da Acessibilidade de Pessoas com Deficiência e Mobilidade Reduzida. Assim juntamos o útil ao agradável identificando Pontos de Vendas que respeitam a Diversidade Humana e Oferecem Excelência no Atendimento ao Cliente. O Hiper Moinho Oliveira, em Macaparana (PE), é um desses exemplos que temos orgulho em divulgar em nosso Guia.

Com uma planta de 780 m² muito bem organizada para dar maior Conforto e Comodidade oferecendo excelentes experiências de Compras aos seus Clientes, a partir do estacionamento, muito bem sinalizado, podemos observar que estamos visitando um Ponto de Vendas construído para oferecer Qualidade e que, sem sombra de dúvidas, é referência para a Cidade e para a Região. Mas tem mais: do Guarda Volumes ao Fraldário, ziguezagueando pelos corredores largos, claros e…

10 Perguntas Demolidoras (AP-InCo)

Ter uma Excelente ideia não basta. É preciso saber vender o seu peixe, a qualquer momento que seja preciso. Todo Empreendedor tem a obrigação de conhecer o seu Negócio nos mínimos detalhes. Isso é importante para Vender a ideia e para a gestão do negócio. Todo Empreendedor tem a obrigação de responder, e responder certo, estas 10 perguntas sobreo seu Negócio.
A Young Entrepreneur Council fez uma lista com 10 questões que todos os investidores querem saber do dono de um negócio.
Encarar um grupo de investidores é uma tarefa que exige muita preparação do empreendedor. Se ele quiser conquistar aquele aporte ou investimento para sua startup ou empresa, terá de responder com segurança a todas as dúvidas de seus inquisidores.
Não são perguntas fáceis. Qualquer deslize na explicação do negócio ou desconhecimento de algum detalhe da operação pode custar o tão sonhado capital. Para ajudar os empresários nesse momento de tensão, os diretores do Young Entrepreneur Council, uma associação mundial de…

De Volta ao Futuro! (AP II)

O Reveillon é um momento de luzes e cores: o branco da paz; o amarelo da prosperidade; o azul da harmonia; o verde da saúde; o laranja da vitalidade - esta deveria ser  a minha cor favorita; o vermelho da paixão... Um verdadeiro arco-íris de desejos e felicitações para um ano que se inicia, iluminado pelas luzes dos fogos de artifício e ao som do hit do dia: Vai Malandra!
No meio dessas "ondas" uma foto em preto e branco grita aos quatro ventos e aos quatro cantos da world wide web. Através de um post transversal nas redes sociais, alguém publica uma foto do fotógrafo Lucas Landau, que me conecta, imediatamente, com os versos de um hai kai...
"Pinto meu rosto Para me ver exposto, Sonhar em cores."
... Que, para mim, traduzem o "grito" do menino à beira mar com os olhos refletindo os fogos de artifício. Meu primeiro ímpeto é perguntar, como se ele me escutasse, "Você tem fome de que?"; "Você tem sede de que?" Porque você dá as costas à todas…