Pular para o conteúdo principal

"Pessoas que pensam em pessoas"


As executivas Chieko Aoki (Hotéis Blue Tree) e Luiza Trajano (Magazine Luiza) dispensam qualquer apresentação e seus nomes são facilmente ligados a excelência na Gestão de suas Empresas. Recentemente, num programa de TV, me chamou a atenção uma conversa, entre essas executivas, sobre Seleção de Pessoas. Uma frase da Sra. Aoki sintetizou esse desgastante processo para as Empresas:

- "Devemos selecionar pessoas que pensam em pessoas”.

A frase, à primeira vista, parece algo óbvio, mas destaca o, ainda existente, abismo entre o conceitual e a prática na Gestão de Recursos Humanos ou Gestão de Pessoas. Vamos destacar o óbvio ululante para colocar o que temos, conceitualmente, em termos de Recrutamento e Seleção nas organizações.

São processos que fazem parte da rotina dos Gestores de “Recursos Humanos”, “Pessoas”, “Capital Humano”, para o preenchimento de vagas em aberto no quadro de pessoal para manter a produção em níveis planejados. A pluralidade de denominações desses Gestores, já dá uma ideia do imbróglio que temos nas organizações, quando falamos de Recrutamento e Seleção.

Esses processos são desenvolvidos de acordo com a estratégia de negócios da organização e estão focados na captação de pessoas que possam acrescentar valor para o diferencial de qualidade de cada empreendimento, de acordo com conceitos subjetivos e amplos.
Cada organização tem, ou deveria ter, muito bem definido:
- o espaço de trabalho da pessoa a ser captada e as necessidades de conhecimentos, competências, habilidades e experiências requeridas;
- o perfil comportamental, desenhado com base no contexto político, social e cultural em que a pessoa irá atuar;
- as condições do ambiente e os recursos a sua disposição para realizar o trabalho.

Na estruturação do processo, em cada organização, é onde começa a dissociação entre conceito e realidade, pois as pessoas são contratadas pelas suas capacidades de produção – para atender a constante pressão por resultados – e são promovidas e despedidas pelos seus perfis comportamentais.

Os processos de recrutamento e seleção de pessoas, mesmo quando são estruturados seguindo-se requisitos criteriosos e sérios, agregando, na maioria das vezes, vantagens para os diversos contextos da organização, sofrem limitações no momento de serem colocados em prática. Seja em função de indisponibilidade de recursos, questões culturais ou, sobretudo, a má condução dos processos, que evidenciam de forma direta, a distância existente entre o conceito e a prática, resultando em abismos que muitas vezes não conseguem ser ultrapassados no decorrer do relacionamento entre Empregados e Empresas.

Toda empresa vive de resultados. Lucro não é algo condenável, lucro é essencial para a sobrevivência de qualquer organização empresarial. É indiscutível que são as pessoas que devem ter as ações com foco nos resultados. Neste sentido, existe a necessidade de alguém para conduzi-las para este fim. Quem deve conduzir as pessoas de modo a fazer com que as metas sejam atingidas é a gestão humana, como área corporativa, e os gestores das áreas funcionais, como Marketing, Vendas, Suprimento, Produção, Financeiro, etc. 

Os processos de Recrutamento e Seleção são considerados pelos empresários e executivos, como um evento empresarial estratégico e vital para a permanência das atividades. Estratégico e vital: esta é a visão que deve ser incorporada no cerne da estruturação destes processos para se atingir a excelência na captação de “pessoas que pensam em pessoas”.

Apenas a seleção por competências – focadas em resultados - não é mais aceitável nos atuais padrões de competitividade e excelência no atendimento que se pretende para um mercado globalizado de plena e ampla concorrência.

A experiência tem demonstrado que para preencher uma vaga, os gestores devem considerar os processos de Recrutamento e Seleção como algo que se aproxima, por definição, a um casamento, em que duas partes firmam um compromisso após, namorarem, noivarem e se conhecerem bem, do que, propriamente, uma escolha unilateral por parte da Empresa ou do Empregado.

Os processos de Recrutamento e Seleção são o momento em que as partes conhecem, aceitam e introjetam Missão e Visão Pessoal e Empresarial e seus respectivos desdobramentos em estratégias e políticas de negócios, ressaltando a adequação das pessoas nas três etapas essenciais na Gestão de Pessoas:

Motivação: suprir necessidades, dar uma visão de futuro;
- definir o espaço de trabalho das pessoas, onde elas desenvolverão seus conhecimentos, competências, habilidades e experiências adquiridas;

Ativação: definir funções, capacitar, delegar;
- desenvolver as condições do ambiente e os recursos a sua disposição para realizar o trabalho.

Integração: desenvolver times, identificar líderes;
- desenvolver o perfil comportamental, desenhado com base no contexto da Missão, Visão e Estratégias de negócios da organização;

Finalizando, vale ressaltar que os processos de Recrutamento e Seleção de “pessoas que pensam em pessoas” são estratégicos e possuem metodologia própria e não podem, e nem devem, ser encarados como eventos pontuais, subjetivos e sem importância, sujeito à pena de colocar em risco a sobrevivência da organização.


Vital Sousa
integrum Consultoria

Os Mais Lidos Da Semana!

O Fator "Stoic Mujic"

Há um conselho que escuto e sigo, há pelo menos 10 anos, para reafirmar minha Determinação. Conselho, de um certo "Anjo João", que ecoa em minha mente, sempre que alguma dificuldade surge no horizonte: "Levanta a cabeça e segue em frente"... - Valeu João!!! “Enquanto se descansa, se carrega pedras”: este provérbio português é o tipo de frase feita que não sai da boca de um grupo de pessoas, entre as quais me incluo: os obstinados pelo que fazem, pelo trabalho. Estas pessoas são do tipo que nunca “desligam”. Não importa onde estejam, o que estejam fazendo; eles estão sempre “ligados”. Numa sessão de vídeo caseira, com pipoca e guaraná, não seria diferente. Na última, da qual participei, vimos o filme “A Ponte dos Espiões” . “Bridge of Spies” em Inglês. Embora eu prefira, por razões que o leitor poderá ver no filme, o título em Alemão: “Der Unterhändler” que em língua tupiniquim que dizer “O Negociador”. É um excelente filme para ser usado em treinamentos sobre Nego

O Líder Situacional Sistêmico

Todos querem Comprometimento , todos querem Engajamento , todos querem colaboradores Motivados , todos querem Equipes de Alto Rendimento ... Mas, quantos se preocupam, verdadeiramente, com as Condições de Trabalho, com o Clima Organizacional, com as Pessoas Certas nos Lugares Certos, com Pessoas que pensam em Pessoas?  Acredito que os Resultados tenham a prioridade nesta lista de situações. Resultados como Objetivo e não como Consequência de um trabalho bem feito. Resultados pelos Resultados: simples assim. Não sou contra os Resultados, nem contra os que os buscam determinadamente, afinal eu estou entre eles. O Lucro não é um "Pecado". Mas, lembrando de um lugar comum, o único lugar em que o Resultado vem antes do Trabalho é no Dicionário. Se você quer Comprometimento, Engajamento, Motivação e uma Equipe de Alto Rendimento , "fora da curva", aprenda a Liderar. Aprenda a conviver com a Liderança Situacional Sistêmica . " Com talento, ganhamos partidas. Com &

FALA Varejista! PodCast.Sem60 - "Abismo Tecnológico - Parte 2"

Numa Parceria de Fix Tecnologia, Gustavo Sobreira Advogados Associados, Realiza Business e VTL Marketing e com o Apoio de Casa Primor, JAZAM Alimentos e Rações VittaMax, iniciamos mais uma Transmissão do... FALA Varejista! “Não invista em Transformação Digital se a sua Mentalidade é Analógica” Na transmissão anterior, para comprovar que “de perto todo mundo é feio”, relacionamos algumas práticas danosas, largamente utilizadas, que estão jogando as Empresas no “Abismo Tecnológico” , apoiadas em inteligentes desculpas, que, tenho certeza, quem estiver escutando esta transmissão conhece muito bem. ERP (Sistema de Gestão), apenas, para "passar mercadoria no caixa"; Compras por "Listas Manuais de Cotação"; Cadastro de Produtos "Comprado"; Estoques "Negativos" no Controle de Estoque; Gestão Financeira “na ponta do lápis”... Então, sem mais desculpas, vamos colocar os pingos nos i’s de cada uma dessas práticas danosas... ERP (Sistema de Gestão), apen