Pular para o conteúdo principal

O Cliente, ainda. é o Rei??!


Sempre que se fala em Atendimento ao Cliente, invariavelmente, duas menções são obrigatórias: Sam Walton e Stew Leonard. Não serei exceção: vamos reler estas menções e discutir um pouco sobre a aplicabilidade das mesmas à realidade dos nossos pontos de venda, principalmente, nas Pequenas e Médias Empresas das periferias dos grandes centros urbanos e nas Cidades do interior.

Comecemos com o famoso discurso de Sam Walton, fundador do Wal Mart – maior rede de varejo do mundo – fazendo a abertura de um programa de treinamento para seus funcionários.

”Eu sou o homem que vai a um restaurante, senta-se à mesa e pacientemente espera, enquanto o garçom faz tudo, menos o meu pedido;
Eu sou o homem que vai a uma loja e espera calado, enquanto os vendedores terminam suas conversas particulares;
Eu sou o homem que entra num posto de gasolina e nunca toca a buzina, mas espera pacientemente que o empregado termine a leitura do seu jornal;
Eu sou o homem que, quando entra num estabelecimento comercial, parece estar pedindo um favor, ansiando por um sorriso ou esperando apenas ser notado;
Eu sou o homem que entra num banco e aguarda tranquilamente que as recepcionistas e os caixas terminem de conversar com seus amigos, e espera;
Eu sou o homem que explica sua desesperada e imediata necessidade de uma peça, mas não reclama pacientemente enquanto os funcionários trocam idéias entre si ou, simplesmente, abaixam a cabeça e fingem não me ver;
Você deve estar pensando que sou uma pessoa quieta, paciente, do tipo que nunca cria problemas. Engana-se. Sabe quem eu sou?
Eu sou o Cliente que nunca mais volta!
Divirto-me vendo milhões sendo gastos todos os anos em anúncios de toda ordem, para levar-me de novo à sua firma. Quando fui lá, pela primeira vez, tudo o que deviam ter feito era apenas a pequena gentileza, tão barata, de me dar um pouco mais de cortesia. Clientes podem demitir todos de uma Empresa, do alto executivo para baixo, simplesmente gastando seu dinheiro em algum outro lugar.”

Agora, para ratificar as palavras do Sam Walton, vejamos as regras, gravadas na Pedra do Compromisso na entrada das lojas Stew Leonard's, popularizadas por Tom Peters.

Regra 1 - O Cliente está sempre certo!
Regra 2 - Se o Cliente estiver errado, aplique a Regra Nº 1.

Não esqueçamos que a Stew Leonard´s utiliza seu próprio nome, em forma de acróstico, como um lema, para transmitir os seus principais valores aos funcionários, fornecedores e clientes:

S - de Satisfazer o Cliente
T - de Trabalho em Equipe
E - de Excelência
W - de Wow!!! Do Cliente Encantado.

Tudo isto posto, divaguemos sobre a nossa realidade, como Clientes, de algum ponto de venda e imediatamente chegaremos à conclusão de que todos estes princípios e pressupostos estão longe de serem aplicados na prática do dia a dia na maioria dos estabelecimentos comerciais, em que pese a massiva inserção destes princípios em todos os meios de comunicação.

Como Cliente, enfatizo que são raras as ocasiões em que, num estabelecimento comercial, seja ele de que tipo for, sou tratado como um Rei. O Cliente Rei é outra expressão comumente utilizada e muito pouco aplicada na realidade.

Como Consultor de Negócios, reconheço que muito já foi feito. Mas, poucas são as Empresas que têm em seus pressupostos de criação, e as colocam em prática, as premissas de Atendimento ao Cliente que servem de preâmbulo a esta discussão. 

O que assistimos diariamente nos pontos de vendas é a qualificação da embromação na forma de “Marketing voltado ao Cliente”. Marketing aqui, desastrosamente, utilizado como sinônimo de propaganda e publicidade e só. Enfim, levada ao pé da letra, esta comunicação, certamente, poderá ser qualificada como Propaganda Enganodsa.

Como Clientes, estejamos Alertas!

Como Consultores e Operadores de Varejo, estejamos conscientes de que o Cliente é o Início e Razão de Tudo!


Vital Sousa
Consultor de Negócios
VTL Marketing

Comentários

Os Mais Lidos Da Semana!

FLASH 4.0 - Consultoria Relâmpago

  FLASH 4.0 - Consultoria Relâmpago para deixar a sua Loja pronta para o Novo Normal, com Qualidade, Rentabilidade e Efetividade Operacional. Se você está lendo esta postagem, seguramente compartilhamos da mesma paixão pelo Varejo. Agora, gostaria da sua avaliação para este novo modelo de Consultoria que economiza tempo e dinheiro. Estou falando de uma Auditoria de Qualidade , com o objetivo de Qualificar a(s) sua(s) loja(s) para entregar Excelência no Atendimento à Diversidade de Clientes no Ponto de Vendas . A Auditoria tem 4 Módulos , que, livremente, poderão ser contratados, para atender as suas reais necessidades.   Direto ao ponto, porque tempo é dinheiro, me coloco a sua disposição para esclarecer qualquer dúvida sobre a Proposta, para entregarmos, com segurança, um Serviço de Valor e Qualidade Diferencial , compatível com o caráter e a cultura de nossas Empres O Flash 4.0 é uma Auditoria de Qualidade ; uma “tomografia” do Ponto de Vendas para corrigir defeitos e qual

FALA Varejista! PodCast.Sem56 - "Marketing de Experiência - Parte 3"

Numa Parceria de Fix Tecnologia, Gustavo Sobreira Advogados Associados, Realiza Business e VTL Marketing e com o Apoio de Casa Primor, JAZAM Alimentos e Rações VittaMax , iniciamos mais uma Transmissão do... FALA Varejista! PodCast Transmissão 56 – “Marketing de Experiência – Parte 3” FALA Varejista! “Existe Marketing de tudo e para tudo porque, como sempre repetimos, tudo é Marketing e Marketing é tudo: simples assim.” Dando continuidade à Série de 5 Semanas falando sobre Marketing de Experiência , nesta terceira transmissão falaremos sobre os 5 Tipos de Experiência . Vamos destacar as características de cada Experiência e contextualizar com um exemplo prático no Ponto de Vendas, para maior clareza da situação. 1. Sentidos Experiências proporcionadas através dos 5 Sentidos , o chamado Marketing Sensorial , são utilizadas desde os primórdios do Varejo. A Experimentação é uma poderosa estratégia de Marketing e Vendas. No Ponto de Vendas, cheirinho de pão fresquinho ou de um cafezi

Rally M+is - Transamazônica

"Falar é fácil, quero ver fazer!" Partindo de Cabedelo (PB) Quantas vezes você já ouviu esta frase, todas as vezes que você teve uma ideia inovadora; todas as vezes que você pensou em fazer algo, realmente, inovador, diferente? Quantas vezes diante, da descrença das pessoas, você vacilou e desistiu? Nós não desistimos! Amadurecemos nossa ideia até o ponto de ser colhida, até o ponto ideal para ser colocada em prática, até a hora de Agir! Nossa ideia pode até parecer uma completa loucura, uma insensatez, mas foi pensada e planejada nos seus mínimos detalhes: detalhes Bons e Ruins, Ações e Reações, Atitudes e Consequências, Forças e Fraquezas, Oportunidades e Ameaças, o Que, Onde, Porque, Quem, Como, Quando, Quanto... Planejamento concluído e exaustivamente testado e aprovado chegou a hora da Ação! Sem esquecer que a vida do Empreendedor é (ou, necessariamente, deveria ser) um eterno looping de PDCA: Planejar, Desenvolver, Controlar, Ajustar, Planejar...