Pular para o conteúdo principal

Amarrando Cachorro com Linguiça



As imagens foram produzidas com autorização em
Canindé - CE (direita) e Carpina - PE (esquerda).
Centenas de quilômetros, cortando 4 Estados da Federação, separam a imagem ao lado: são dois extremos!

1 - Extremos da minha área de atuação como Consumidor / Consultor de Varejo;

2 - Extremos de descaso e falta de Fiscalização das autoridades Competentes e da falta de exigência/denúncia (concorrência desleal) dos estabelecimentos regularmente estabelecidos e dos Consumidores finais.

Imagens como estas, antes de serem extremas pela precariedade das condições de exposição e manuseio dos alimentos, são extremamente comuns nas periferias de grandes centros urbanos e nas Cidades do interior.

Dizem que é uma questão de "Cultura". Para mim é uma questão de Saúde Pública e por que não dizer um Caso de Polícia. Navegando no Twitter encontrei esta interessante nota de esclarecimento, sobre Merchandising, que estou colando abaixo para fazer preâmbulo a uma inquietante constatação sobre o tema. Vamos ler a nota e eu volto depois.

"Merchandising – Depende da cultura de cada lugar.

Muitos profissionais ainda têm dúvidas sobre o que quer dizer Merchandising. Segue uma boa definição:

“Merchandising é qualquer técnica, ação ou material promocional usado no ponto-de-venda que proporcione informação e melhor visibilidade a produtos, marcas ou serviços, com o propósito de motivar e influenciar as decisões de compra dos consumidores”

Uma área do Marketing que se responsabiliza pelo Merchandising é o Trade Marketing, onde as pessoas envolvidas têm muito trabalho com suporte na abertura de novos canais, elaboração de materiais para o  ponto de venda, eventos, e tudo mais.

Para trabalhar nessa área, um requisito que deverá ser exigido é que a pessoa tenha senso de estética, antes de ser um profissional se coloque no lugar do consumidor, esteja sempre atento ao varejo e visitar constantemente lojas que tenham a ver com sua área.

No entanto, cada país ou mesmo estado tem sua cultura e seu jeito de encarar isso! Nos EUA, o merchandising é levado muito a serio e como fator de decisão de compra.

No Brasil, essa prática está encaminhando e para isso os profissionais devem estar atentos às tendências do setor e do mercado, encantando o consumidor e o cliente com o aumento das vendas." Fonte: http://www.factumerchandising.com.br

Voltando, para tratar da questão inquietante:

Sempre que leio algo do gênero desta nota, com a qual concordo em parte, me remeto à minha infância, no tempo em que se amarrava cachorro com linguiça – dirão alguns. A constatação inquietante, a que me referi no início, é que a Cultura certamente interfere na forma de ver e trabalhar Merchandising, mas acredito, piamente, que devemos, em nome da Excelência no Atendimento ao Cliente, ir contra a Cultura estabelecida e recriar ou criar uma nova cultura, no que se refere à exposição de produtos, principalmente, perecíveis.

Retomando a expressão “amarrar cachorro com linguiça” para contextualizar a forma como, em nome da Cultura, são expostos produtos perecíveis – carnes e derivados – em feiras livres, açougues e frigoríficos de cidades do interior e nas periferias dos grandes centros urbanos. As imagens são calamitosas, um verdadeiro atentado à saúde publica. Mas nem por isso interfere no “merchandising” dos produtos que são vendidos livremente.

Isto nos remete a outro principio de exposição de produtos (merchandising) que diz: não há forma certa nem forma errada... a melhor forma é a que vende! Mas não devemos em nome da Cultura, negligenciar a qualidade e a sanidade do que se oferece aos clientes em qualquer parte do mundo e em qualquer tempo? 

Do tempo em que se amarrava cachorro com linguiça ao tempo em que o cachorro será um amontoado de chips. A cultura deve ser preservada, desde que não seja prejudicial aos consumidores. A responsabilidade sobre isso recai sobre quem está expondo e vendendo o produto.

Vital Sousa
integrum Consultoria

Os Mais Lidos Da Semana!

GUIA ACESSÍVEL - Supermercados - Hiper Moinho Oliveira

SOU Varejista desde os meus 8 anos de idade e nunca me canso de valorizar as Melhores Práticas neste segmento. Aliás, o GUIA ACESSÍVEL - Comércio & Turismo tem este objetivo, ampliado para incorporar a causa da Acessibilidade de Pessoas com Deficiência e Mobilidade Reduzida. Assim juntamos o útil ao agradável identificando Pontos de Vendas que respeitam a Diversidade Humana e Oferecem Excelência no Atendimento ao Cliente. O Hiper Moinho Oliveira, em Macaparana (PE), é um desses exemplos que temos orgulho em divulgar em nosso Guia.

Com uma planta de 780 m² muito bem organizada para dar maior Conforto e Comodidade oferecendo excelentes experiências de Compras aos seus Clientes, a partir do estacionamento, muito bem sinalizado, podemos observar que estamos visitando um Ponto de Vendas construído para oferecer Qualidade e que, sem sombra de dúvidas, é referência para a Cidade e para a Região. Mas tem mais: do Guarda Volumes ao Fraldário, ziguezagueando pelos corredores largos, claros e…

10 Perguntas Demolidoras (AP-InCo)

Ter uma Excelente ideia não basta. É preciso saber vender o seu peixe, a qualquer momento que seja preciso. Todo Empreendedor tem a obrigação de conhecer o seu Negócio nos mínimos detalhes. Isso é importante para Vender a ideia e para a gestão do negócio. Todo Empreendedor tem a obrigação de responder, e responder certo, estas 10 perguntas sobreo seu Negócio.
A Young Entrepreneur Council fez uma lista com 10 questões que todos os investidores querem saber do dono de um negócio.
Encarar um grupo de investidores é uma tarefa que exige muita preparação do empreendedor. Se ele quiser conquistar aquele aporte ou investimento para sua startup ou empresa, terá de responder com segurança a todas as dúvidas de seus inquisidores.
Não são perguntas fáceis. Qualquer deslize na explicação do negócio ou desconhecimento de algum detalhe da operação pode custar o tão sonhado capital. Para ajudar os empresários nesse momento de tensão, os diretores do Young Entrepreneur Council, uma associação mundial de…

De Volta ao Futuro! (AP II)

O Reveillon é um momento de luzes e cores: o branco da paz; o amarelo da prosperidade; o azul da harmonia; o verde da saúde; o laranja da vitalidade - esta deveria ser  a minha cor favorita; o vermelho da paixão... Um verdadeiro arco-íris de desejos e felicitações para um ano que se inicia, iluminado pelas luzes dos fogos de artifício e ao som do hit do dia: Vai Malandra!
No meio dessas "ondas" uma foto em preto e branco grita aos quatro ventos e aos quatro cantos da world wide web. Através de um post transversal nas redes sociais, alguém publica uma foto do fotógrafo Lucas Landau, que me conecta, imediatamente, com os versos de um hai kai...
"Pinto meu rosto Para me ver exposto, Sonhar em cores."
... Que, para mim, traduzem o "grito" do menino à beira mar com os olhos refletindo os fogos de artifício. Meu primeiro ímpeto é perguntar, como se ele me escutasse, "Você tem fome de que?"; "Você tem sede de que?" Porque você dá as costas à todas…